Governo de Biden reconhecerá presidência de Guaidó e pretende ‘restaurar democracia’ na Venezuela

Secretário de Estado Antony Blinken classificou regime do ditador Nicolás Maduro como ‘brutal’ e citou eleições ‘livres e justas’ como primeiro passo para restaurar democracia

  • Por Jovem Pan
  • 20/01/2021 14h52 - Atualizado em 20/01/2021 14h52
REUTERS/Manaure Quintero/File PhotoGuaidó é reconhecido como presidente da Venezuela pelos EUA

O secretário de Estado de Joe Biden, Antony Blinken, afirmou durante sabatina com senadores nesta terça-feira, 19, que o novo governo norte-americano deve continuar a reconhecer Juan Guaidó como presidente da Venezuela, decisão instituída no governo do republicano Donald Trump. Questionado pelo parlamentar Marco Rubio, da Flórida, sobre se as sanções ao país latino mudarão no novo governo, Blinken foi categórico e afirmou que a assembleia nacional da Venezuela é a única instituição vista como democraticamente eleita pelos Estados Unidos. “Nós precisamos de uma política mais efetiva para restaurar a democracia do país, começando com eleições livres e justas”, afirmou.

O secretário disse, porém, que não considera as sanções atuais como efetivas para o país e citou a necessidade de dar assistência humanitária aos que sofrem com a ditadura de Maduro e aos países vizinhos que recebem a população refugiada. A sabatina de Blinken durou pouco mais de quatro horas e, além da Venezuela, ele falou de uma série de assuntos da política internacional do país, como a relação com a China, com o Irã e com a Ucrânia. A conversa com os senadores foi realizada um dia antes da posse de Joe Biden, que foi reconhecido como presidente dos Estados Unidos em cerimônia nesta quarta-feira, 20, sem a presença de Donald Trump.