Investigação do incidente com o Boeing 777 da United Airlines aponta para ‘fadiga no metal’

Enquanto as análises continuam, a empresa recomendou a suspensão das operações de todas as aeronaves do modelo e viu suas ações caírem mais de 2% na Bolsa

  • Por Jovem Pan
  • 23/02/2021 12h24
EFE/EPA/NTSB HANDOUTO avião da United Airlines apresentou falha no motor direito logo após a sua decolagem no último sábado, 20

O Conselho Nacional de Segurança dos Transportes dos Estados Unidos afirmou que há sinais de “fadiga no metal” de uma das pás do motor do avião da United Airlines que quebrou logo após a decolagem no último sábado, 20. Durante uma coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira, 23, o presidente do órgão que está investigando o incidente com o Boeing 777, Robert Sumwalt, afirmou que as lâminas serão enviadas a um laboratório para exames adicionais por inspetores de segurança. Enquanto a investigação continua, a Boeing recomendou na segunda-feira, 22, a suspensão das operações de todas as 69 aeronaves do modelo que estão em serviço no mundo, além de todos os outros aviões com motores do tipo “Pratt & Whitney”. Desde então, as ações da empresa caíram mais de 2% na Bolsa.

O 777-200 voava do Colorado para o Havaí quando apresentou falha no motor direito. Apesar de alguns destroços terem caído sobre a cidade de Broomfield, onde ninguém ficou ferido, a aeronave conseguiu retornar ao Aeroporto Internacional de Denver com todas as 241 pessoas a bordo ilesas. Ainda assim, o incidente representa um contratempo para a fabricante de aviões, que acabou de se recuperar da crise do 737 MAX, que ficou paralisado após dois acidentes que deixaram 346 mortos em maio de 2019. A Boeing também foi duramente atingida pela pandemia do novo coronavírus e suas consequências no transporte aéreo internacional.

*Com informações de agências internacionais