Macron condena rivalidade entre EUA e China: ‘O mundo não pode ficar à mercê’

O discurso do presidente da França na Assembleia Geral da ONU foi marcado por uma série de pedidos de paz

  • Por Jovem Pan
  • 22/09/2020 15h59 - Atualizado em 22/09/2020 16h00
EFE/EPA/FRANCOIS MORIEmmanuel Macron é o atual presidente da França

Presidente da França, Emannuel Macron demonstrou preocupação com a rivalidade entre Estados Unidos e China mostra pelos líderes de ambas as nações nas últimas semanas. Em seu discurso na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), nesta terça-feira, 22, o líder francês afirmou que o “mundo não pode ficar à mercê” das ameaças do embate entre as duas principais economias do planeta. A fala aconteceu após Donald Trump, líder norte-americano, voltar a responsabilizar os asiáticos por terem provocado a pandemia da Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

O discurso de Macron, inclusive, foi marcado por uma série de pedidos de paz e pulso firme contra o terrorismo e a proliferação de armas de destruição em massa, citando o Irã e a Coreia do Norte. “Também não toleraremos uso de armas químicas na Europa, Rússia e Síria”, destacou. Ele ainda pediu esclarecimento do caso de envenenamento do líder da oposição russa Alexei Navalny – o político, principal rival de Vladimir Putin, saiu do coma recentemente.

Já sobre a Covid-19, Emannuel Macron disse ter certeza de que uma cura virá, mas que a humanidade precisa aprender a “conviver com o vírus”. Até o momento, algumas vacinas estão na Fase 3 de testagem, a última que verifica a eficácia e segurança.