Tiroteio em escola nos EUA chega a quatro mortes; atirador de 15 anos será julgado como adulto

Jovem de 17 anos que estava em estado grave teve morte confirmada nesta quarta-feira; outras seis pessoas, incluindo uma professora, continuam internadas

  • 01/12/2021 17h34 - Atualizado em 01/12/2021 18h01
Matthew Hatcher / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFPQuarta morte foi confirmada nesta quarta-feira

O número de vítimas fatais de um tiroteio registrado nesta terça-feira, 30, na Oxford High School, em Michigan, nos Estados Unidos, subiu para quatro na tarde desta quarta-feira, 1º, após o Hospital MacLaren Oakland confirmar a morte do jovem Justin Shilling, de 17 anos, co-capitão do time de boliche da escola. Em coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira, a promotora do condado de Oakland, Karen McDonald, afirmou que o suspeito, Ethan Crumbley, de 15 anos, será julgado como um adulto. Segundo ela, a promotoria tem fortes evidências para provar que o garoto premeditou os assassinatos “bem antes do incidente”. Ele será julgado por uma acusação de terrorismo, quatro acusações de assassinato de primeiro grau, sete acusações de tentativa de homicídio e onze de posse de arma.

Além de Justin, morreram no ataque Hana St. Juliana, de 14 anos; Madisyn Baldwin, de 17 anos, e Tate Myre, de 16 anos, considerado “herói” pelos colegas por ter tentado desarmar o suspeito e salvar seus amigos antes de morrer. Seis outras vítimas do tiroteio estão internadas em hospitais da região: duas garotas de 17 anos, três garotos com idades entre 14 e 15 anos e uma professora de 47 anos. Dois deles estão em estado crítico. Em outra coletiva de imprensa, realizada ainda na terça-feira, 30, o xerife de Oakland County, Michael Bouchard, afirmou que a arma usada pelo aluno tinha sido comprada pelo pai dele em uma promoção de Black Friday. O aluno teria entrado no banheiro com uma mochila que tinha a arma dentro e saído disparando a esmo contra colegas que estavam perto do local.