Número de mortes por explosão no Líbano sobe para 113; 4 mil estão feridos

Dezenas de pessoas continuam desaparecidas entre os escombros; hospitais de campanha serão criados para atender as vítimas

  • Por Jovem Pan
  • 05/08/2020 19h45 - Atualizado em 05/08/2020 19h48
EFE/EPA/WAEL HAMZEHExplosão foi causada pela combustão de 2.750 toneladas de nitrato de amônio

O número de mortes causadas pela forte explosão em Beirute aumentou para 113, informou nesta quarta-feira, 5, o ministro da Saúde do Líbano, Mohamed Hassan. Já o número de feridos se aproxima de 4 mil e dezenas de pessoas continuam desaparecidas entre os escombros. “Foi permitida a criação de hospitais de campanha para tratar rapidamente os feridos, e o Ministério da Saúde definirá os locais apropriados para instalá-los, com a ajuda do Exército”, disse Hassan ao término de uma reunião extraordinária entre o gabinete de ministros, segundo o canal de televisão “LBCI”.

De acordo com o ministro, a ajuda médica enviada por vários países árabes e europeus terá de ser canalizada através do Ministério da Saúde e sob a supervisão do Exército quando chegar ao país. A Jordânia anunciou que enviará para Beirute, na quinta-feira, um hospital de campanha militar completamente equipado para realizar cirurgias, com 160 profissionais de saúde de todas as áreas e quase 50 leitos. Em reunião extraordinária, o governo decretou um estado de emergência de duas semanas em Beirute, classificada como uma “zona de catástrofe”. Também foram anunciados três dias de luto oficial a partir de 5 de agosto para homenagear as vítimas.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, conversou por telefone nesta quarta-feira com o primeiro-ministro do Líbano, Hassan Diab, e ofereceu ajuda norte-americana. Ao longo da conversa, Pompeo “expressou condolências ao povo libanês pela horrível explosão no porto de Beirute, que matou e feriu tantas pessoas e causou uma destruição devastadora na cidade”, detalhou em comunicado Cale Brown, um dos porta-vozes do Departamento de Estado.

A explosão desta terça-feira foi causada pela combustão de 2.750 toneladas de nitrato de amônio. O Líbano vive atualmente uma das piores crises econômicas desde o fim da guerra civil, em 1990. O governo do Líbano anunciou hoje a prisão domiciliar dos responsáveis pelo armazenamento dos materiais tóxicos. A ministra da Informação, Manal Abdel Samad, disse durante entrevista coletiva após uma reunião extraordinária do Gabinete que as “autoridades competentes” tomarão todas as medidas legais para aplicar a prisão domiciliar e monitorar os responsáveis.

* Com EFE