ONU: Meta de doação para países pobres sobe para US$ 6,7 bilhões

Segundo a organização, os efeitos mais devastadores serão sentidos nos países mais vulneráveis, e os recursos podem ajudar no combate da pandemia de coronavírus

  • Por Jovem Pan
  • 07/05/2020 14h47 - Atualizado em 07/05/2020 14h55
DivulgaçãoONU aumenta meta de doações para países pobres

A ONU aumentou nesta quinta-feira (7) o valor a ser arrecadado no fundo de apoio aos países pobres, para atuação na pandemia da Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, que passou de US$ 2 bilhões para US$ 6,7 bilhões.

“A menos que atuemos agora, temos que nos preparar para um aumento significativo dos conflitos, da fome e da pobreza. O espectro da fome generalizada paira sobre nós”, afirmou o subsecretário-geral das Nações Unidas para assuntos humanitários, Mark Lowcock, por meio de comunicado.

O representante da ONU lembrou que todos estão sendo afetados pela pandemia, no entanto, os efeitos mais devastadores serão sentidos nos países mais pobres do mundo, que já sofrem com quedas de exportação, do turismo, entre outros indicadores.

“Se não apoiarmos os mais pobres, especialmente as mulheres, meninas e outros grupos vulneráveis, vamos enfrentar efeitos colaterais por muitos anos. Será ainda mais doloroso e mais caro para todos”, explicou.

Em 25 de março, a ONU pediu doações que chegassem aos US$ 2 bilhões para um primeiro grupo de países vulneráveis, mas aumentou o montante para US$ 6,7 bilhões com a inclusão de mais nações, como Paquistão, Filipinas, além de outras da África.

Até o momento, as Nações Unidas receberam cerca de US$ 1 bilhão, que foi utilizado para melhorar as condições de higiene em campos de refugiados, distribuição de máscaras, equipamentos para testes de diagnóstico de Covid-19. Além disso, o dinheiro foi utilizado para criar centros de logística para o recebimento de itens.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) calcula que o pico da pandemia ainda demorará de três a seis meses para chegar nos países mais pobres e que as regiões estão produzindo grandes registros de transmissão da Covid-19 sem que isso esteja sendo detectado, devido à fragilidade dos sistemas de saúde e laboratórios.

*Com informações da EFE