Partidos alemães chegam a acordo de coalização para definir substituto de Angela Merkel

Com acordo formalizado, o candidato da centro-esquerda Olaf Scholz deve tomar cadeira da atual chanceler

  • Por Jovem Pan
  • 24/11/2021 10h20 - Atualizado em 24/11/2021 10h23
EFE/EPA/CLEMENS BILAN / POOLOlaf Scholz é vice-chanceler do governo de Angela Merkel e é um político popular na Alemanha

Os partidos Social-Democrata (SPD), Verde e Liberal Democrático (FDP) que negociavam a formação de um novo governo alemão finalmente chegaram a um acordo de coalizão nesta quarta-feira, 24. Os detalhes do pacto serão apresentados à imprensa ainda nesta tarde. As discussões entre as três legendas começaram no fim de outubro, quase um mês após a população alemã ir às urnas votar nas eleições federais, e só foram finalizadas quando o grupo chegou a um consenso sobre as medidas para mudanças climáticas.

No pleito deste ano, nenhum partido conseguiu a maioria dos assentos do Bundestag, o Parlamento alemão. Sendo assim, o SPD, a sigla mais votada nas eleições, teve que formar uma coalização para ter mais de 50% de apoio na Casa e lançar um nome para comando da Alemanha. Com a formalização de coalização, a eleição para chanceler federal no Parlamento deve acontecer na semana do dia 6 de dezembro e Olaf Scholz, representante do SPD, deve ser o nome eleito para suceder Angela Merkel.

Scholz é popular na Alemanha por ser vice-chanceler do atual governo. Ele também teve passagens como ministro das Finanças e como prefeito de Hamburgo, seu berço eleitoral. Antes de se juntar ao governo de Merkel, Scholz teve uma juventude de filiação ao SPD e proferiu ideias consideradas revolucionárias. A escolha de um governo de centro-esquerda para o país pode trazer algumas mudanças em relação ao regime conservador que governou a Alemanha nos últimos 15 anos.