Passageiros embarcam em voos sem destino para fazer compras no free shop da Coreia do Sul

Clientes estão decolando do Aeroporto de Incheon para voltar ao mesmo local cerca de duas horas depois carregados de itens do free shop, apesar de nunca terem pousado em outro país

  • Por Jovem Pan
  • 13/05/2021 14h48 - Atualizado em 13/05/2021 16h07
Divulgação Aeroporto Internacional IncheonPara atrair passageiros, companhias aéreas e operadoras de free shop estão fazendo parcerias de descontos

Na tentativa de salvar as empresas do setor de turismo afetadas pela pandemia do novo coronavírus, o governo da Coreia do Sul autorizou temporariamente a operação de voos que entram no espaço aéreo estrangeiro sem de fato aterrissarem em outro país. A medida, que está em vigor desde novembro de 2020, permite que companhias aéreas sul-coreanas como Asiana Airlines, Air Seoul, Air Busan, Jeju Air, Jin Air e T’way realizem voos internacionais para lugar nenhum. Além de matar as saudades de tempos pré-pandêmicos, os passageiros adeptos dessas viagens sem destino podem aproveitar para fazer compras em loja duty free, que também foram fortemente afetadas pela Covid-19. O mercado global de duty free valia US$ 85 bilhões em 2019, mas as vendas despencaram à medida que os países restringiram as viagens internacionais em meio à pandemia. Globalmente, apenas 1,8 bilhão de pessoas pegaram voos regulares no ano passado, em comparação com 4,5 bilhões em 2019, disse a Organização de Aviação Civil Internacional. A receita anual da gigante suíça Dufry, por exemplo, caiu 71%.

O jornal local Korea JoongAng Daily relata que em abril a agência de viagem Hanjin Travel, a companhia Korean Air e a Lotte Duty Free fizeram uma parceria para oferecer aos passageiros descontos consideráveis em suas compras. Os clientes escolhem os itens que desejam adquirir previamente através do site da loja, buscam as suas compras no Aeroporto Internacional de Incheon e na sequência embarcam em um voo que entra brevemente no espaço aéreo do Japão antes de retornar para a Coreia do Sul. Como a rota se qualifica como sendo internacional, cada passageiro tem direito a isenção de impostos sobre bens no valor de até US$ 600. “Os descontos mais do que compensam o preço das passagens. Compramos US$ 1.100 em mercadorias. Adivinhe quanto acabamos pagando: US$ 608. Quase 50% de desconto! É um negócio incrível. Economizamos muito dinheiro”, disse Seo Young, de 46 anos, em entrevista ao jornal. Para competir com a Lotte Duty Free, a segunda maior operadora duty free da Coréia do Sul, o Hotel Shilla, está oferecendo passagens gratuitas em voos sem destino nos dias 23 e 30 de maio para clientes que gastarem mais de US$ 550 em suas lojas.

Os voos internacionais sem destino costumam ter duração de duas horas e meia, período no qual os passageiros devem permanecer de máscara e respeitando o distanciamento social. Não é servido nenhum tipo de comida ou bebida a bordo, mas a tripulação da cabine busca entreter os clientes chamando atenção para os locais por onde o avião está passando, como cordilheiras e ilhas. Ao desembarcarem, os passageiros dos voos sem destino usam um crachá que diz: “Voo de turismo internacional sem aterrissagem no Aeroporto Internacional de Incheon”. Dessa forma, eles se distinguem de outras pessoas vindas do exterior que deverão cumprir quarentena obrigatória de 14 dias.