Passageiros precisam ser resgatados após inundação dentro de metrô na China; veja vídeo

Fortes chuvas deixaram pelo menos 25 pessoas mortas nesta quarta-feira, 21; cidade de Zhengzhou registrou equivalente a um ano de precipitação em um dia

  • Por Jovem Pan
  • 21/07/2021 14h48 - Atualizado em 21/07/2021 16h59
Ian Bremmer/Twitter/Reprodução de vídeoPelo menos 12 pessoas morreram após inundação em metrô na China

Pelo menos 25 pessoas morreram nesta terça-feira, 20, na província de Honã, na China, após uma chuva recorde atingir a região e inundar até mesmo vagões de metrô que transportavam passageiros de forma subterrânea. Vídeos divulgados nas redes sociais mostram alguns passageiros com água na altura do pescoço dentro dos trens. De acordo com o canal britânico BBC, sobreviventes que ficaram nos vagões inundados narraram pela rede social Weibo que a água começou a vazar das portas e subir lentamente até atingir a altura do pescoço de algumas pessoas. Muitos subiram em bancos e ergueram crianças para evitar afogamentos. A linha de trem foi desligada pouco mais de 30 minutos após a água invadir os vagões e a evacuação dos passageiros ocorreu por plataformas laterais aos túneis. Segundo autoridades de Zhengzhou, cidade na qual a inundação ocorreu, cinco pessoas ficaram feridas e 12 morreram neste incidente. A enchente dentro do metrô teria ocorrido porque os mecanismos para evitar inundações no local não aguentaram a quantidade de água das chuvas que caíram ao longo do dia.

De acordo com a agência de comunicação local Xingua, autoridades relataram que o nível de precipitação acumulada entre as 18h (7h de Brasília) e a meia-noite (13h de Brasília) era de 449 milímetros. Nas 24 horas anteriores, caíram 457,5 milímetros de chuva em Zhengzhou, número considerado como um recorde. “Esta é uma chuva que se vê uma vez em 100 anos. A situação é sombria”, descreveu o centro de controle de inundações de Zhengzhou em um posicionamento oficial. Além dos vagões, ruas e avenidas ficaram alagadas. Vários edifícios residenciais e outros trechos da província ficaram sem água e eletricidade, o que forçou a reformulação de rotas de ônibus e trens, assim como o cancelamento de voos na região. Apesar da catástrofe, o nível de emergência declarado na província foi 2, um a menos do que a escala máxima do país. Mais de 200 mil moradores precisaram ser retirados de áreas mais baixas da região por causa do aumento do nível de represas.