Peru prorroga suspensão de voos para Brasil, Índia e África do Sul até 15 de julho

Países registram surtos de novas variantes do coronavírus, e medida serve como controle preventivo para limitar o risco de contágio

  • Por Jovem Pan
  • 01/07/2021 15h29 - Atualizado em 01/07/2021 15h39
EFE/ Luis Angel Gonzales Taipe/ArchivoO Peru tem conhecimento da presença de quatro variantes do coronavírus, sendo a andina a principal delas

O Peru manterá suspensos os voos comerciais com Brasil, Índia e África do Sul pelo menos até metade de julho, após o governo ter prorrogado a medida por mais duas semanas com o objetivo de reduzir os riscos de propagação em seu território das novas variantes da Covid-19 surgidas nesses países. A medida foi estabelecida pelo Ministério dos Transportes e Comunicações (MTC) por meio de resolução ministerial publicada nesta quinta-feira no jornal oficial “El Peruano”. Especificamente, a medida estende de 1º a 15 de julho a suspensão dos voos de passageiros do Brasil, Índia e África do Sul, onde foi registrado o surto de novas variantes do coronavírus, como medida de controle preventivo para limitar o risco de contágio. A regra afeta principalmente as conexões aéreas regulares existentes entre o Peru e o Brasil, uma vez que o país andino não possui voos diretos com as outras duas nações.

Apesar das precauções tomadas pelo governo peruano para evitar a chegada de novas variantes, o país tem conhecimento da presença de quatro delas, sendo a dominante C.37, também conhecida como andina. Da mesma forma, circulam as variantes britânica, brasileira e, mais recentemente, a indiana. O primeiro caso da variante Delta, como é chamada internacionalmente essa mutação do coronavírus que surgiu na Índia, foi confirmado no Peru no início de junho na cidade de Arequipa, a única onde as infecções voltaram a aumentar, ao contrário do que acontece no resto do país.

Porém, já há indícios da sua presença na capital Lima, por isso, o ministro da Saúde, Óscar Ugarte, previu ontem que “num futuro relativamente próximo”, é provável que a variante Delta seja a predominante no país. Depois de ter sofrido o pior pico de toda a pandemia em abril, o Peru experimenta agora uma queda na longa segunda onda, que durou mais de cinco meses. As infecções por coronavírus estão caindo pela 12ª semana consecutiva, enquanto as mortes pela doença também registraram tendência de queda nas últimas nove semanas. De acordo com o balanço oficial, o Peru supera dois milhões de casos sintomáticos confirmados, dos quais mais de 190 mil morreram, números que colocam o país em um dos epicentros mundiais da pandemia da Covid-19.

*Com informações da EFE