Polícia do Haiti mata quatro suspeitos de assassinar presidente e prende outros dois

Jovenel Moise foi morto a tiros nesta quarta-feira após a invasão de grupo armado à sua residência; a primeira-dama Martine também foi ferida e está internada em Miami

  • Por Jovem Pan
  • 08/07/2021 00h50
EFE/ARCHIVO/ JEAN MARC HERVE ABELARDJovenel Moise, presidente do Haiti, foi assassinato em sua casa

Quatro supostos assassinos do presidente do Haiti, Jovenel Moise, foram mortos nesta quarta-feira, 7, em confronto com agentes da Polícia Nacional, e dois outros foram presos, anunciou o diretor-geral da corporação, Léon Charles. A operação policial também resultou na libertação de três agentes que haviam sido sequestrados pelos suspeitos de terem matado Moise, segundo o chefe da polícia, que concedeu entrevista ao lado do primeiro-ministro interino, Claude Joseph, e outras autoridades. Os supostos assassinos foram interceptados pela polícia após um intenso tiroteio no bairro de Pelerin, na manhã desta quarta, onde está a residência de Moise, segundo o Secretário de Estado da Comunicação, Frantz Exantus, via Twitter. No pronunciamento à imprensa, o ministro da Cultura e Comunicação, Pradel Henríquez, reiterou que os responsáveis pelo atentado são estrangeiros que falam espanhol e inglês, mas não deu detalhes sobre nacionalidade ou identidade.

Joseph garantiu que a situação de segurança no país está sob controle após o assassinato de Moise. Ele também revelou que o relatório forense sobre a morte do presidente foi feito e, posteriormente, seu corpo foi transferido para um necrotério na capital. Quanto ao estado de saúde da primeira-dama, Martine Moise, também ferida no ataque, ele informou que ela está fora de perigo, após ter sido transferida para um hospital em Miami, nos Estados Unidos. O premiê também relatou que conversou por telefone com o Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, com quem discutiu a situação política do Haiti. Em particular, falaram sobre a organização das eleições presidenciais e legislativas, marcadas para 26 de setembro, e a oposição. “Felizmente, muitos setores da oposição condenaram o assassinato”, disse.

*Com informações da EFE