Polícia descarta até o momento homofobia na morte de jovem brasileiro na Espanha, diz jornal

Um dos motivos é que Samuel não foi xingado apenas de ‘bicha’, mas também de ‘idiota’ por agressores; investigações continuam e três suspeitos foram presos

  • Por Jovem Pan
  • 07/07/2021 16h39 - Atualizado em 07/07/2021 19h32
Samuel Luiz Muñiz/Reprodução de redes sociaisSamuel nasceu no Brasil e morava na Espanha desde a infância

A Polícia Nacional da Espanha descartou momentaneamente que a homofobia tenha causado a morte do brasileiro Samuel Luiz Muñiz, de 24 anos, na cidade de La Coruña no último fim de semana. Segundo o jornal El Mundo, três suspeitos de terem cometido o espancamento foram presos e interrogados, assim como outras 15 pessoas que presenciaram o crime. Um dos motivos que fez a polícia descartar a homofobia como causa da morte de Samuel foi o fato de que, ao espancá-lo, os jovens não proferiram somente xingamentos sobre a orientação sexual da vítima, mas também a chamaram de “idiota” e “filho da p***”. Além disso, os investigadores afirmaram que “não há provas de que o morto e seus agressores se conhecessem previamente e soubessem a orientação sexual dele antes da agressão”.

O auxiliar de enfermagem, que nasceu no Brasil e se mudou para o país europeu com um ano de idade, foi espancado por um grupo de pessoas na saída de uma boate no último fim de semana. Até o momento, três suspeitos foram presos: dois homens e uma mulher. Todos eles moram na mesma vizinhança. Uma amiga de Samuel narrou ao jornal El Mundo que um dos responsáveis pelo crime teria implicado com o brasileiro porque achava que ele estava o filmando e iniciado as agressões quando o jovem foi fazer uma ligação do lado de fora da casa noturna. As investigações policiais mostraram que o acusado como “principal agressor” do jovem foi expulso de um bar por arrumar confusão pouco antes do crime.