Vacina da Pfizer tem eficácia de longo prazo em crianças de 11 a 15 anos, diz empresa

Segundo estudo que analisou 2,2 mil menores de idade nos Estados Unidos, imunizante teve taxa de 100% de efetividade com 30 infecções apenas no grupo placebo

  • Por Jovem Pan
  • 22/11/2021 13h43
EVANDRO LEAL/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDOVacina da Pfizer já é aplicada em adolescentes no Brasil

Um comunicado divulgado pela Pfizer e pela BioNTech nesta segunda-feira, 22, afirmou que a vacina desenvolvida pelas duas empresas contra a Covid-19 apresenta proteção de longo prazo em adolescentes na faixa etária dos 11 aos 15 anos. De acordo com as empresas, dados preliminares de um estudo que analisou 2,2 mil crianças durante um período de sete dias a quatro meses após a aplicação das duas doses, mostraram 100% de efetividade da vacina contra o vírus. Apenas 30 infecções foram detectadas no período, todas elas no grupo que tinha tomado o placebo. O comunicado também afirmou que nenhum efeito colateral grave foi monitorado nas crianças e entre as reações mais comuns dos jovens estão dor no local da aplicação da vacina, fadiga e febre leve, sintomas “comuns” já analisados em outros estudos da empresa.

Em entrevista ao jornal norte-americano Forbes, o CEO da Pfizer, Albert Bourla, afirmou que o resultado das pesquisas é “especialmente importante”, principalmente diante da crescente de casos da doença na faixa etária. O uso emergencial da vacina nos menores de idade foi aprovado pela agência regulatória norte-americana (FDA) no mês de maio e o imunizante também é utilizado no Brasil. Somente nos Estados Unidos, quase 10 milhões de pessoas já receberam pelo menos uma dose do imunizante. Agora, os resultados do estudo preliminar devem ser enviados para a FDA e analisados por outros especialistas na tentativa de converter o uso emergencial em aprovação regulatória total da vacina para os pequenos.