Washington D.C. faz homenagem às vítimas da violência armada nos EUA

Passeio Nacional foi coberto com 38 mil rosas brancas representando o número de norte-americanos que morrem a cada ano em incidentes envolvendo armas de fogo

  • Por Jovem Pan
  • 14/04/2021 16h51 - Atualizado em 14/04/2021 17h28
Reprodução Twitter RepJahanaHayesIniciativa está relacionada às tentativas do Partido Democrata de aprovar leis mais rígidas sobre a venda de armas no país

O Passeio Nacional em Washington D.C. foi coberto com 38 mil rosas brancas que representam o número de norte-americanos que morrem a cada ano por incidentes envolvendo armas de fogo nos Estados Unidos. A homenagem foi organizada por uma fundação a favor do controle de vendas de armas que é liderada pela ex-deputada do Partido Democrata Gabrielle Giffords. A ativista foi baleada e sofreu graves danos cerebrais durante um tiroteio no Arizona em 2011 que deixou seis mortos e vinte feridos. O memorial, que ficará exposto até a próxima sexta-feira, 16, foi montada poucos dias depois de Joe Biden anunciar ações executivas que dificultam o acesso às chamadas “armas fantasma”, que por serem fabricadas de maneira caseira, não possuem números de série que permitem que elas sejam rastreadas. Na ocasião, o presidente também lançou incentivos para os Estados removerem a permissão de porte de armas a pessoas que representem um risco para si mesmas e para a sociedade, anunciou um acompanhamento maior sobre o tráfico de armas de fogo e lançou investimentos em programas de intervenção em comunidades que tenham altos índices de violência.

Durante o seu discurso feito no último dia 8, Biden afirmou que a violência armada nos Estados Unidos é uma “epidemia” e um “constrangimento nacional”. “O trabalho de qualquer presidente é proteger o povo americano, quer o Congresso aja ou não. Vou usar todos os recursos à minha disposição para manter o povo americano protegido da violência armada. Mas há muito mais que o Congresso pode fazer para ajudar nesse esforço”, completou. O movimento está relacionado à onda de tiroteios em massa, ou seja, que resultam em quatro ou mais vítimas, no país. Só no último mês, houve nove incidentes desse tipo nos Estados Unidos. No entanto, os democratas ainda enfrentam resistência dos republicanos para adotar controles de armas mais rígidos.