Após classificar Cuba como ‘ditadura’, Ciro Gomes critica PT e Bolsonaro

Nas redes sociais, pré-candidato às eleições de 2022 afirmou que o Brasil não deve desrespeitar soberania do país, ‘como faz o presidente’, tampouco ‘seguir o figurino dos petistas’

  • Por Jovem Pan
  • 16/07/2021 16h18 - Atualizado em 16/07/2021 17h28
Roberto Casimiro/Estadão ConteúdoPré-candidato às eleições de 2022 ponderou que o Brasil deve desejar uma 'Cuba independente e democrática'

O ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), usou as redes sociais nesta sexta-feira, 16, para divulgar um vídeo no qual classifica Cuba como “ditadura” e critica as posturas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e do Partido dos Trabalhadores (PT) frente à nação. “Nosso querido povo cubano está sofrendo. Existem duas bombas relógios armadas há muito tempo sobre esse povo valoroso, o bloqueio econômico e a ditadura política. Desarmá-las é uma tarefa que envolve o povo cubano em sua autodeterminação, mas que também requer a atenção e a solidariedade da comunidade internacional. A política externa brasileira não pode ser condescendente com o desrespeito à soberania de Cuba e ao direito internacional, promovidos pelo governo Bolsonaro e pelos Estados Unidos. Tampouco deve seguir o figurino da política externa do PT, marcado por velhos hábitos latino-americanos”, disse. Além disso, o pré-candidato às eleições de 2022 ponderou que o Brasil deve desejar uma “Cuba independente e democrática”.

“Não podemos concordar com qualquer tipo de desrespeito à soberania de Cuba e com a agressão ao direito internacional. No entanto, nem de longe isso significa a aceitação da supressão das liberdades políticas em Cuba. Cuba não é uma democracia, as liberdades de seu povo, inclusive de debater, estão suprimidas. O partido comunista cubano e seus chefes decidem o destino do país, ninguém pode saber se a ditadura conta ou não com o apoio da maioria. Outros regimes terríveis como de Hitler, Mussolini e Stalin foram apoiados, por certo tempo, pela maioria do povo — mas esse apoio não os transformou em democracia”, analisou Ciro. Ele concluiu sua fala dizendo que o povo brasileiro precisa entender Cuba como uma “nação amiga”, mas que também deve perceber o Brasil como uma nação que seja “referência de responsabilidades no cenário internacional”. No último dia 11, milhares de cubanos saíram às ruas de Havana e de outras cidades do país para protestar contra o governo. Entre as pautas defendidas pelos manifestantes estavam “liberdade” e “abaixo à ditadura”. Além disso, o protesto clamou contra a crise econômica e sanitária.