YouTube remove live em que Bolsonaro associou vacinas à Aids e suspende canal

Plataforma afirmou que o vídeo viola as diretrizes de desinformação médica da empresa sobre o coronavírus

  • Por Jovem Pan
  • 25/10/2021 20h23 - Atualizado em 25/10/2021 22h03
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDOYouTube removeu live semanal do presidente

O YouTube removeu nesta segunda-feira, 25, a live em que o presidente Jair Bolsonaro associou as vacinas contra a Covid-19 à Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (Aids). Em comunicado, a plataforma informou que retirou o vídeo do ar por violar as diretrizes de desinformação médica da empresa sobre o coronavírus. “As nossas diretrizes estão de acordo com a orientação das autoridades de saúde locais e globais, e atualizamos as nossas políticas à medida que a orientação muda. Aplicamos as nossas políticas de forma consistente em toda a plataforma, independentemente de quem for o criador ou qual a sua opinião política”, afirmou o YouTube.

Além disso, o canal do presidente na plataforma foi suspenso por uma semana. É possível visitá-lo, mas Bolsonaro e sua equipe não poderão publicar vídeos durante este período. Se em 90 dias ele voltar a infringir as regras estabelecidas pela empresa de tecnologia, o tempo de gancho dobrará. Na transmissão ao vivo da última quinta-feira, Bolsonaro citou um suposto relatório do Reino Unido e afirmou que pessoas vacinadas estariam desenvolvendo Aids “muito mais rápido do que o previsto”, o que não é verdade. O Facebook e o Instagram também removeram a live.