Autora de PEC para reeleição de Maia e Alcolumbre vai deixar o partido após suspensão

Após protocolar a proposta, na semana passada, a senadora Rose de Freitas foi punida pelo Podemos por 60 dias

  • Por Jovem Pan
  • 10/09/2020 11h53
Waldemir Barreto/Agência SenadoApós protocolar a proposta, na semana passada, a senadora Rose de Freitas foi punida pelo Podemos por 60 dias

Autora de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para permitir a reeleição do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em 2021, a senadora Rose de Freitas (Podemos-ES) foi suspensa do partido ao qual é filiada. Rose confirmou que vai sair do Podemos por conta própria e defendeu a iniciativa apresentada por ela para tornar viável a recondução de Maia e Alcolumbre. Após protocolar a PEC, na semana passada, a senadora foi punida pelo Podemos. O partido abriu processo de expulsão e suspendeu Rose das atividades partidárias por 60 dias. Líder da bancada no Senado, Álvaro Dias (PR) é apontado como adversário de Alcolumbre na disputa pela presidência da Casa.

Um dos pedidos de expulsão da senadora foi protocolado pela deputada Patrícia Ferraz (Podemos-AP), pré-candidata à prefeitura de Macapá. Josiel Alcolumbre, irmão do presidente do Senado, também concorrerá ao cargo na capital do Amapá. De acordo com a ação, Rose desrespeitou normas e interesses da legenda ao propor a PEC. “Eu fui suspensa que nem um aluno em banco de escola, como se não tivesse feito o dever de casa. Vou sair do partido”, afirmou a senadora. Para ela, a proibição de reeleição da Mesa do Congresso é “um cadáver da ditadura que fica boiando”. Entre os senadores que assinaram a PEC estão os líderes do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO), e no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). A adesão foi vista nos bastidores como um aceno do Palácio do Planalto a Alcolumbre.

*Com Estadão Conteúdo