‘Auxílio emergencial e vacina serão prioridades até a pandemia acabar’, diz Pacheco

Presidente do Senado se reuniu com presidente da Câmara e ministros da Economia e da Secretaria de Governo para tratar sobre pagamento de nova rodada do benefício

  • Por Jovem Pan
  • 12/02/2021 15h40 - Atualizado em 12/02/2021 16h49
Marcos Oliveira/Agência SenadoAuxílio emergencial deve ser pago de março a junho, disse Pacheco

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) afirmou, nesta sexta-feira, 12, que o auxílio emergencial e a vacinação dos brasileiros só deixarão de ser prioridades quando a pandemia do novo coronavírus acabar. A declaração foi dada após uma reunião com os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Secretaria de Governo (Segov), Luiz Eduardo Ramos, e com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), marcada para tratar sobre o amparo às classes mais vulneráveis em meio ao recrudescimento da crise sanitária.

“A prioridade absoluta é a vacina e o auxílio emergencial, e só deixarão de ser prioridade quando a pandemia acabar. A expectativa é que tenhamos [parcelas do auxílio emergencial] em março, abril, maio e eventualmente junho”, disse Pacheco. O presidente do Senado não falou sobre valores das parcelas. Pacheco também destacou que é necessário haver uma cláusula de calamidade pública na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo, para “fazer a flexibilização necessária para que haja o auxílio emergencial no Brasil”. Esta ideia é defendida pelo ministro Paulo Guedes, que condiciona o pagamento de uma nova rodada do benefício à existência do que chama de contrapartida. O presidente do Senado também afirmou que as equipes trabalharão durante o Carnaval para que, na quinta-feira, 18, a proposta seja submetida ao colégio de líderes. A expectativa é que o auxílio emergencial possa voltar a ser pago a partir de março.