Bolsonaro defende voto impresso em 2022 e questiona: ‘Democracia ou fraude?’

Em conversa com apoiadores, presidente voltou a falar sobre o tema e se colocou a favor do recurso para as próximas eleições

  • Por Jovem Pan
  • 01/07/2021 19h38 - Atualizado em 01/07/2021 21h32
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO -22/03/2021 O presidente da república, Jair Bolsonaro, durante cerimônia no Palácio do Planalto Presidente também falou que a verba para arcar com os custos do voto impresso já foi obtida

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a falar sobre o voto impresso nas eleições de 2022. As declarações foram feitas em conversa com apoiadores na manhã desta quinta-feira, 1º. Segundo Bolsonaro, “vamos ter problemas no ano que vem” caso o voto auditável não seja adotado. Em sua fala, o presidente citou o trabalho de “três ministros” do Supremo Tribunal Federal (STF) e falou que eles “vão ter que apresentar uma maneira de termos eleições limpas no ano que vem”. “Como está aí, a fraude está escancarada”, continuou o presidente. “Tiraram o Lula da cadeia, tornaram elegível para ele ser presidente na fraude, e isso não vai acontecer”.

Ainda na conversa, Bolsonaro garantiu que o dinheiro para arcar com os custos da impressão dos votos já está reservado. As declarações sobre o tema repercutiram depois que o mandatário publicou um vídeo em seu Twitter com a legenda “democracia ou fraude?”. Dentre as figuras políticas que se manifestaram, está a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), que criticou Bolsonaro e o chamou de “projeto de Hitler tupiniquim”. A também deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR) disse que o presidente quer “inflamar a população” e que a finalidade do voto impresso é “tumultuar”.