CPI retoma depoimentos mirando atuação de envolvidos com o caso Covaxin e representante da Prevent

Senadores vão receber empresário apontado como sócio oculto do FIB Bank, lobista que aparece em ‘passo-a-passo da fraude’, um diretor da Precisa Medicamentos

  • Por André Siqueira
  • 12/09/2021 08h00 - Atualizado em 12/09/2021 16h22
Leopoldo Silva/Agência SenadoCPI da Covid-19 retoma os trabalhos depois de uma semana sem depoimentos

Depois de uma semana sem depoimentos, a CPI da Covid-19 retoma os trabalhos com o intuito de esclarecer a atuação de lobistas e empresários envolvidos, sobretudo, no processo de aquisição da vacina Covaxin, uma das principais linhas de investigação da comissão. O contrato entre o governo do presidente Jair Bolsonaro e a farmacêutica indiana Bharat Biotech foi assinado no dia 25 de fevereiro, em uma negociação intermediada pela Precisa Medicamentos, e rescindido no final do mês de agosto, após os irmãos Luis Ricardo Miranda, chefe de Importação do Ministério da Saúde, e o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), denunciarem irregularidades nas tratativas.

Na terça-feira, 14, os senadores vão receber o advogado Marcos Tolentino, apontado como sócio oculto do FIB Bank, que emitiu uma carta-fiança de R$ 80,7 milhões como garantia para a Precisa no acordo firmado para a aquisição de 20 milhões de doses da vacina. O depoimento estava inicialmente marcado para a quarta-feira, 1º, mas foi adiado depois de Tolentino apresentar um atestado alegando “formigamento” no corpo como justificativa para não comparecer. A postura irritou os senadores. “Ele se internou no final da tarde, e oito horas da noite estava dando entrevista. Sorridente, como se nada estivesse acontecendo. Para quem estava passando mal, não dava para estar dando entrevista. O Marcos Tolentino é um fraudador, e não vai fraudar uma doença? É esse cidadão que se interna na véspera de ser ouvido. Ele vem para cá nem que seja de maca. Mas vai vir aqui”, disse o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM). A oitiva também servirá para esclarecer os vínculos de Tolentino com o líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR). Os dois são amigos pessoais e o advogado, inclusive, acompanhou o parlamentar do Centrão em seu depoimento à comissão, que ocorreu no dia 12 de agosto. Em 25 de agosto, o colegiado ouviu Roberto Pereira Ramos, que se apresentou como diretor-presidente da FIB Bank. Para os congressistas, porém, ele atua como “laranja” de Tolentino. “Nós já sabemos que o verdadeiro responsável pelo FIB Bank é o senhor dessa foto [exibida no telão da comissão], o Marcos Tolentino. Vossas contradições confirmaram as certezas que temos”, disse Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da comissão parlamentar.

Na quarta-feira, 15, será a vez de Marconny Albernaz de Faria, lobista da Precisa Medicamentos. O nome de Faria aparece em uma troca de mensagens que cria a “arquitetura da fraude” a uma licitação para a compra de testes de Covid-19 a fim de beneficiar a empresa criada por Francisco Maximiano. A presença do advogado virou alvo de uma batalha judicial. Ele deveria ter sido ouvido na quinta-feira, 2, mas não compareceu. Um dia antes, a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu ao depoente o direito de permanecer em silêncio em perguntas que pudessem incriminá-lo, mas decidiu que sua presença era obrigatória. Em razão disso, a cúpula da CPI da Covid-19 determinou que a Polícia Legislativa do Senado tentasse localizá-lo e acionou o STF com um pedido de condução coercitiva do lobista. Depois do imbróglio, a defesa de Faria procurou os senadores e sinalizou que ele compareceria ao Senado.

Em razão de uma alteração do calendário, os senadores vão ouvir, na quinta-feira, 16, o diretor da Precisa Medicamentos Danilo Trento. O funcionário da empresa aparece como personagem de pelo menos duas ocasiões. Uma delas é a troca de mensagens sobre o “passo-a-passo” da fraude. Segundo o senador Randolfe Rodrigues, havia dois grupos atuando conjuntamente: o de Roberto Ferreira Dias, diretor de Logística do Ministério da Saúde, que também contava com José Ricardo Santana, que deixou um cargo em um órgão ligado à Anvisa para atuar como lobista na pasta; e o da Precisa, representado por Maximiano, Trento e o lobista Marconny. Inicialmente, os parlamentares iriam ouvir a advogada Karina Kufa, que representa o presidente Jair Bolsonaro. Ela promoveu um jantar em sua casa que contou com a presença de envolvidos no esquema – o conteúdo em posse da CPI foi obtido a partir de uma operação do Ministério Público Federal do Pará.

Por fim, o G7 da CPI da Covid-19, grupo majoritário, decidiu ouvir, na sexta-feira, 17, um representante da Prevent Senior. Em uma sessão no final do mês de agosto, o senador Humberto Costa (PT-PE) revelou que o colegiado recebeu uma denúncia formal feita por um grupo de médicos e ex-médicos da Prevent Senior em que afirmam que a operadora de saúde e o governo federal fizeram um acordo, no início da pandemia do coronavírus, para testar e disseminar as medicações do “kit Covid”, como cloroquina, ivermectina e azitromicina. Segundo a denúncia, a Prevent realizou uma série de tratamentos experimentais em seus pacientes, muitas vezes sem que houvesse consentimento deles. O texto também afirma que as pessoas infectadas foram usadas como “cobaias humanas”.