CPI da Covid-19: Rosa Weber mantém quebra de sigilo de Carlos Wizard

Ministra afirmou que ‘eventual existência de um Ministério da Saúde paralelo constitui fato gravíssimo’; empresário é aguardado para depor nesta quinta-feira, 17

  • Por André Siqueira
  • 16/06/2021 14h56 - Atualizado em 16/06/2021 16h14
Gabriela Biló/Estadão ConteúdoDecisão da ministra foi divulgada nesta quarta-feira, 16

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), manteve a decisão da CPI da Covid-19 que determinou a quebra de sigilos telefônico e telemático de Carlos Wizard Martins. O empresário é apontado como membro do “gabinete paralelo” de assessoramento ao presidente Jair Bolsonaro e é aguardado para depor nesta quinta-feira, 17. Em seu despacho, a magistrada afirmou que a possível existência de um conselho é “fato gravíssimo”. “A eventual existência de um Ministério da Saúde paralelo, desvinculado da estrutura formal da Administração Pública, constitui fato gravíssimo que dificulta o exercício do controle dos atos do Poder Público, a identificação de quem os praticou e a respectiva responsabilização e, como visto, pode ter impactado diretamente no modo de enfrentamento da pandemia”, escreveu.

A ministra também afirmou que a quebra de sigilo se justifica neste caso. “Assim, a investigação de seus integrantes e a ligação que mantinham com o Poder Público possibilitará, em abstrato, campo lícito para o desenvolvimento das atividades de investigação, sem que se possa falar, à primeira vista, em desbordamento de seus limites. O caminhar nessa linha investigativa enseja a análise de toda a atividade pública, inclusive a interposta, no contexto da pandemia. Tal investigação tem fundamento, portanto, na necessidade de permitir à CPI, dentro do seu campo de discricionariedade, que descortine todos os espectros possíveis da investigação, para que não sejam indevidamente limitados os poderes a ela conferidos pelo art. 58, § 3º, da Constituição Federal”, avaliou.