CPI da Covid-19: Senadores querem convocar braço-direito de Pazuello

Élcio Franco Filho foi secretário-executivo do Ministério da Saúde na gestão do general do Exército; comissão também vai analisar quebra de sigilo de Fabio Wajngarten, ex-chefe da Secom

  • Por André Siqueira
  • 17/05/2021 14h10 - Atualizado em 17/05/2021 14h17
WALLACE MARTINS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOO coronel Élcio Franco Filho era o número dois do Ministério da Saúde na gestão do então ministro Eduardo Pazuello

Integrantes da CPI da Covid-19 articulam a convocação do braço-direito do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, o ex-secretário-executivo Élcio Franco Filho. Os requerimentos estão na pauta da sessão desta terça-feira, 18, que também será destinada à oitiva do ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, que deixou o governo do presidente Jair Bolsonaro no final de março, após uma intensa pressão das principais lideranças do Congresso Nacional. Os parlamentares também devem votar a quebra de sigilo do ex-chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) Fabio Wajngarten, que depôs na quarta-feira, 12 – se aprovado, os membros da comissão vão solicitar acesso às mensagens trocadas pelo aplicativo de mensagens WhatsApp e e-mails institucionais da pasta.

A oitiva de servidores do Ministério da Saúde que estiveram na pasta na gestão Pazuello é uma estratégia da CPI para tentar esclarecer alguns pontos cruciais para os trabalhos da comissão, sobretudo, a negociação do governo federal para a aquisição de vacinas contra o novo coronavírus e a insistência na adoção do chamado “tratamento precoce”. Além do general do Exército, que foi substituído pelo médico cardiologista Marcelo Queiroga, os senadores vão ouvir a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro, conhecida como “capitã cloroquina”. Em depoimento ao Ministério Público Federal (MPF), ela confirmou que foi responsável pela organização de uma comitiva de médicos que foi a Manaus, capital do Estado do Amazonas, para difundir o uso de cloroquina como tratamento contra a doença – a informação foi inicialmente divulgada pelo jornal O Globo. Na sessão desta terça-feira, os senadores também vão analisar a convocação de Hélio Angotti Neto, secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, que deve ser questionado sobre protocolos adotados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) envolvendo o fármaco, que não tem eficácia comprovada contra a Covid-19.