‘Meus ministros estão alinhados para preservar a nossa liberdade’, diz Bolsonaro em Brasília

Presidente participou de ato pró-governo neste sábado, 15, e chamou Lula de ‘canalha’; grupos pedem fim das medidas de isolamento e a adoção do voto impresso nas eleições de 2022

  • Por Jovem Pan
  • 15/05/2021 16h45 - Atualizado em 15/05/2021 18h15
CLÁUDIO MARQUES/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOPresidente discursou em ato realizado neste sábado, 15

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participou de um ato favorável a seu governo realizado em Brasília na tarde deste sábado, 15. As manifestações aconteceram em vários pontos do Brasil. O presidente chegou ao protesto por volta das 15h30 em cima de um cavalo. Logo depois, realizou um pronunciamento aos manifestantes, dizendo que os ministros de seu governo estão alinhados e defenderão a liberdade do povo. “Sei que muitos de vocês querem o imediatismo, a solução rápida para tudo. Pode ter certeza de que hoje meus 22 ministros estão perfeitamente alinhados com o propósito maior de defesa da pátria e de preservar a nossa liberdade, com sacrifício até da própria vida se necessário for”, afirmou Bolsonaro. O presidente também exaltou o papel do agronegócio e dos caminhoneiros durante a pandemia para o Brasil e para o mundo. “O Brasil se manteve em pé graças ao homem do campo, que não parou, graças aos caminhoneiros. […] O nosso agro, além de alimentar 200 milhões de brasileiros, alimenta mais de 1 bilhão de seres pelo mundo todo”, disse Bolsonaro.

Bolsonaro também disse que não quer pensar aonde estaria o Brasil caso ele tivesse perdido as eleições de 2018 para Fernando Haddad (PT) e falou que deseja que as eleições de 2022 tenham votos auditáveis. O presidente afirmou, ainda, que se isso não acontecer, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) poderá ser eleito. “Se tiraram da cadeia o maior canalha da história do Brasil e se foi dado o direito de concorrer [à Presidência], me parece que, se não tivermos o voto auditável, esse canalha ganha no ano que vem”, disse o presidente. Ao falar sobre o voto impresso, uma das principais pautas da manifestação, Bolsonaro disse que o Brasil terá voto impresso se a PEC for promulgada. “Se o nosso Congresso Nacional aprovar a PEC do voto auditável da Bia Kicis e ela for promulgada, nós teremos voto impresso em 2022.” Presidente também falou que o carinho da população o conforta. “Uma coisa me conforta em estar na Presidência, apesar de longos dias de inquietação: é todo o carinho de vocês. É ter o respeito da população brasileira. Nós não estamos fazendo nada que não seja do interesse de todos vocês”, concluiu Bolsonaro.

O ato de Brasília começou na Esplanada dos Ministérios por volta das 9 horas. Grupos em prol do agronegócio e da comunidade evangélica se juntaram e mostraram estar ao lado do presidente. Entre as principais pautas levantadas nos atos, estão o fim das medidas de isolamento social adotadas no combate à Covid-19 e a adoção do voto impresso auditável nas eleições, projeto encabeçado pela deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), que visa garantir legitimidade no pleito e evitar possíveis fraudes. Também houve protestos contra os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).