MP-SP arquiva inquérito contra Haddad por falta de provas

Em delação premiada, presidente da OAS relatou suposto repasse de propina para quitar dividas da campanha do ex-prefeito

  • Por Jovem Pan
  • 16/12/2021 16h30 - Atualizado em 16/12/2021 16h31
Roberto Casimiro/Estadão Conteúdo haddad Investigação contra Haddad foi arquivada

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) arquivou um inquérito contra o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) por falta de provas. A investigação apurava suposto repasse de propina da construtora OAS para pagar despesas de campanha do petista. O inquérito tinha como base uma delação premiada de Léo Pinheiro, ex-presidente da empresa, durante a operação Lava Jato em 2013. Ele relatou que foi procurado por João Vaccari Neto, então tesoureiro do PT, que teria solicitado R$ 5 milhões em dinheiro para quitar dívidas da campanha de Haddad à Prefeitura de São Paulo. Em troca, Vaccari teria ofertado a continuidade dos contratos da OAS com a administração municipal. Pinheiro disse que repassou R$ 3 milhões. A investigação foi transferida para o MP estadual.

“Entretanto, inobstante as mais de 680 páginas de documentos colhidos pelo MPF e acostados aos autos em apenso, o envolvimento direto de Fernando Haddad não restou comprovado, e o suposto valor exigido por Vaccari, o qual seria destinado expressamente ao adimplemento de dívidas de campanha do ex-prefeito municipal também não se comprovou”, afirmou o promotor Paulo Rogério Costa, da 86ª Promotoria de Justiça Criminal de São Paulo. O magistrado disse ainda que a defesa dos investigados trouxe documentos que desconstroem as acusações do delator. “A defesa do investigado efetivamente comprovou que houve a descontinuidade do contrato administrativo entre a OAS e a Prefeitura do Município de São Paulo, antes de o investigado ter realizado a suposta exigência indevida e em dinheiro à empreiteira OAS”, afirma a promotoria.