Pazuello muda discurso e diz que Saúde recomenda ‘atendimento precoce’ contra a Covid-19

Mesmo com aprovação do uso emergencial das vacinas, presidente Jair Bolsonaro segue defendendo o tratamento precoce; no dia 12 de janeiro, publicação da pasta recomendando método foi apontada como ‘enganosa’ pelo Twitter

  • Por Jovem Pan
  • 18/01/2021 17h01
José Dias/PRMinistro apresentou informações sobre a atuação da pasta no estado do Amazonas

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou em coletiva de imprensa, na tarde desta segunda-feira, 18, no Palácio do Planalto, que a pasta recomenda o “atendimento precoce” e não o tratamento precoce. “Incentivamos que a pessoa doente procure imediatamente o posto de saúde, procure o médico, que faz o diagnóstico clínico. Isso é foro íntimo do paciente com o médico. O ministério não tem protocolos sobre isso. Atendimento é uma coisa, tratamento é outra. Atendimento precoce, é esse o nosso objetivo”, afirmou Pazuello. Ao lado do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), Pazuello apresenta detalhes do plano de ação do governo federal no enfrentamento ao colapso da rede hospitalar em Manaus, capital do estado.

A declaração representa um ponto de contradição no discurso utilizado pelo ministério e pelo próprio presidente Jair Bolsonaro. No dia 12 de janeiro, o Twitter apontou uma publicação da pasta sobre tratamento precoce como “enganosa”. “Para combater a Covid-19, a orientação é não esperar. Quanto mais cedo começar o tratamento, maiores as chances de recuperação. Então, fique atento! Ao apresentar sintomas da Covid-19, #NãoEspere, procure uma Unidade de Saúde e solicite o tratamento precoce”, diz o post.

Na manhã desta segunda-feira, 18, em conversa com apoiadores, o presidente Jair Bolsonaro comentou a aprovação do uso emergencial dos imunizantes CoronaVac e da Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca. “Não desisto do tratamento precoce, não desisto. A vacina é para quem não pegou Covid-19 ainda”, disse Bolsonaro. O presidenta também voltou a ironizar a eficácia de 50,38% da vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan. “E essa vacina é também 50% de eficácia, ou seja, se eu jogar uma moedinha para cima, é 50% de eficácia”, acrescentou.