Vereadores venezuelanos em greve de fome enviam comunicado ao papa

  • Por Agencia EFE
  • 10/06/2015 17h04

(Corrige o primeiro e segundo parágrafo e acrescenta declarações).

Cidade do Vaticano, 10 jun (EFE).- Os dois vereadores venezuelanos em greve de fome no Vaticano, José Vicente García e Martín Paz, entregaram nesta quarta-feira um comunicado ao papa Francisco, mas não chegaram a conversar com ele.

“Nós não conversamos com o papa. Nós pudemos fazer chegar um comunicado através da Secretaria de Estado”, disse Martín Paz à agência Efe.

Também acrescentou: “Nos disseram que ele sabia que estávamos lá. Fizemos o pedido (de uma conversa), a agenda era complicada, e pedimos que fizéssemos chegar o comunicado”.

Os dois opositores participaram hoje da audiência geral em cadeira de rodas.

Os dois vereadores iniciaram a greve de fome na sexta-feira com a intenção de chamar a atenção da Santa Sé e fazer três pedidos ao pontífice: sua mediação para que o governo venezuelano ponha em liberdade os presos políticos, sua intercessão nos organismos internacionais como Nações Unidas, Organização dos Estados Americanos ou Corte Internacional de Direitos Humanos para que conheçam a situação no país.

Finalmente, pediram para serem recebidos pelo papa para que ele “escute de viva voz a situação de perseguição, repressão e humilhação das liberdades na Venezuela”.

O protesto coincidiu com a visita que estava prevista do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, ao Vaticano. Ele seria recebido em audiência privada pelo papa, mas a viagem foi suspensa “por recomendação médica”.

“Os médicos me obrigaram a ficar em repouso e é o que estou fazendo agora. De fato tive que, por recomendação médica, suspender a viagem a Roma”, explicou Maduro no sábado durante uma videoconferência transmitida pela televisão estatal “VTV”. EFE