Samy Dana: Esqueça a etiqueta, brasileiros amam os áudios do WhatsApp

Pesquisa mostra que o áudio no WhatsApp deu certo, mas isso não afeta o texto como meio favorito de comunicação no aplicativo

  • Por Samy Dana*
  • 04/08/2020 07h30
Allan White/ Fotos PúblicasWhatsApp é usado por 100% dos brasileiros entrevistados na pesquisa

Uma das coisas mais difíceis da atualidade deve ser encontrar alguém que nunca enviou ou recebeu áudio pelo WhatsApp. É uma função tão corriqueira para todo mundo que parece que sempre foi assim, mas na verdade foi introduzida só em 2013. Até sete anos atrás, as comunicações eram quase sempre por escrito. Já existia o Skype, permitindo as reuniões por vídeo, mas nada parecido. O Skype e outras ferramentas de vídeos são úteis para reuniões e encontros. A função de áudio trouxe a possibilidade de enviar mensagens quando não se pode escrever ou é preciso explicar assuntos mais complexos. Porém, nem todo mundo é fã da ferramenta.

A forma como os áudios são usados se tornou uma questão de etiqueta. Há quem adore, quem usa porque é útil e quem odeie. Mas, se depender do gosto popular, o áudio pegou. Perguntados como lidam com áudios, 56% dos entrevistados disseram que não só não se importam como gostam muito de enviá-los. Já 57% revelaram que adoram receber áudios. Só uma a cada cinco pessoas, ou seja, 20%,  não gosta das interações por mensagem de voz. Isso não afeta o texto como meio favorito de comunicação no aplicativo. Oitenta por cento das pessoas escrevem quando precisam se comunicar. Já os áudios são o meio preferencial de 11%. E 3%, segundo a pesquisa, usam mais o WhatsApp para fazer chamadas de vídeo ou como telefone.

O levantamento ainda ataca outro mito da etiqueta do aplicativo: o de que as pessoas não gostam de áudios muito longos. Para 21%, áudios de qualquer tamanho são aceitáveis. Mas aí ocorre um empate: outros 21% defendem que quanto mais curto o áudio, melhor. E mais 21% dizem que tudo bem se o áudio for um pouco longo, mas no máximo entre 30 segundos e um minuto. Se tiver mais de um minuto, 50% dos entrevistados preferem que a mensagem seja dividida em duas ou mais.

A pesquisa ainda ouviu os usuários sobre qual é a rede social favorita dele, e não foi surpresa que o WhatsApp é usado por 100% dos participantes. Youtube (88%), Facebook (86%) e Instagram (83%) vem em seguida, com Twitter (37%), TikTok (28%) e Linkedin (27%) completando o grupo. E para quem tem dúvida sobre a importância do WhatsApp no comportamento dos brasileiros:  74% dos entrevistados disseram que ao acordar, antes mesmo de escovar os dentes, o primeiro gesto do dia é checar as mensagens no aplicativo.

*Samy Dana é economista e colunista na Jovem Pan.