Constantino: ‘Se for candidato, Doria terá dificuldades de vender o peixe de bandeira ética’

O secretário de Transportes de São Paulo e ex-ministro das Cidades do governo Temer, Alexandre Baldy, foi preso na manhã desta quinta-feira (6) por suspeitas de desvios na Saúde

  • Por Jovem Pan
  • 06/08/2020 18h13 - Atualizado em 06/08/2020 18h17
Reprodução/TwitterAlexandre Baldy é secretário da gestão Doria

Após a força-tarefa da Lava Jato deflagrar, nesta quinta-feira (6), a Operação Dardanários, que prendeu o secretário de Transportes de São Paulo e ex-ministro das Cidades do governo Temer, Alexandre Baldy, por suspeitas de desvios na Saúde do Rio de Janeiro e em São Paulo que envolvem órgãos federais, o comentarista do programa 3 em 1, da Jovem Pan, Rodrigo Constantino, diz que o governador João Doria “terá dificuldades de vender o peixe de bandeira ética”, caso seja candidato às eleições presidenciais de 2022. Embora a operação da Lava Jato não investigue fatos relacionados à gestão Doria, Constantino avalia que a prisão de Baldy terá impacto político. “Todos os tucanos estão enrolados com a Justiça e, agora, tem mais essa do secretário. Tudo no entorno dele [Doria] pega muito mal”.

Na operação desta quinta, além de Baldy, o pesquisador da Fiocruz, Guilherme Franco Cruz, também foi preso. A Polícia Federal cumpriu 6 mandados de prisão e 11 de busca e apreensão em Petrópolis (RJ), São Paulo, São José do Rio Preto (SP), Goiânia e Brasília, expedidos pelo juiz federal Marcelo Bretas. Para Thaís Oyama, não é só Doria que pode sofrer com o impacto político da operação, mas também o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“Embora o governador Doria tenha salientado que não isso não é de agora, pode espirrar nele. E o segundo é presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que também seria um pré-presidenciável, vamos dizer assim. Baldy já foi ministro da Cidades do governo Temer e quando o presidente Jair Bolsonaro pensou em recriar essa pasta, Maia poderia indicar um nome, mas isso não aconteceu. Maia acabou indicando Rodrigo Dias, primo de Baldy, para o FNDE, do Ministério da Educação, após Weintraub tirar do comando do fundo o professor Carlos Decotelli, o que foi ministro por um dia. Rodrigo Dias foi alvo de um dos mandados de prisão de hoje”, disse Oyama.