Constantino: Oposição se esforça para colocar a pecha de ‘também é corrupto’ em Bolsonaro

Declaração foi dada pelo comentarista durante sua participação no programa 3 em 1 desta segunda-feira, 12, que debateu a abertura de inquérito contra o presidente pela PF

  • Por Jovem Pan
  • 12/07/2021 18h00 - Atualizado em 12/07/2021 19h15
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO - 18/05/2021Polícia Federal (PF) instaurou inquérito para investigar suspeita de prevaricação do presidente Jair Bolsonaro

Polícia Federal (PF) instaurou inquérito para investigar suspeita de prevaricação do presidente Jair Bolsonaro no caso da compra da vacina Covaxin contra a Covid-19. De acordo com a lei, prevaricação consiste em “retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal”. O inquérito foi instaurado após autorização da ministra Rosa Weber, que atendeu a um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). O caso se refere à denúncia feita pelo deputado Luis Miranda e o servidor da Saúde, Luis Ricardo Miranda, de que o funcionário teria sido pressionado a assinar o contrato fraudulento para compra da vacina indiana após negociações da Precisa Medicamentos. O caso teria sido relatado pelos irmãos Miranda ao presidente durante encontro. Segundo depoimento deles na CPI da Covid-19, o mandatário teria respondido que esse tipo de negociata seria coisa do deputado Ricardo Barros, líder do governo na Câmara. O inquérito vai apurar se Bolsonaro deixou de tomar as medidas cabíveis para investigar a denúncia.

Durante sua participação no programa 3 em 1, da Jovem Pan, desta segunda-feira, 12, o comentarista Rodrigo Constantino citou que a denúncia foi feita por alguém “sem credibilidade” e mencionou uma evolução no combate à corrupção no Brasil durante o tempo de governo de Jair Bolsonaro. “É muito importante a gente ter a verdadeira dimensão das coisas. Dois anos e meio de governo, estão ‘cavucando’ a vida do presidente e de sua família mais do que qualquer indivíduo nesse país na história. E tudo que gera algum tipo de esperança e expectativa na oposição é isso que eu descrevi de forma simplista. Enquanto que o Lula, que alguns querem de volta e que, por sua vez, quer levar o Brasil na direção de Cuba, coordenou e liderou com uma organização criminosa o maior assalto aos cofres públicos da história da nossa República. É o que a Bruna [Torlay] disse, o esforço da oposição é colar, de alguma forma, a pecha de ‘também é corrupto’ no Bolsonaro. E aí para o leigo fica aquela coisa de ‘ele e o Lula não têm muita diferença’. É bom trazer as perspectivas históricas e a dimensão da coisa para colocar os pingos nos is. Nós evoluímos e muito”, analisou Constantino.

Confira a íntegra do programa desta segunda-feira, 12: