‘Moro fala, age e pensa como um tucano’, analisa Constantino após filiação do ex-juiz ao Podemos

Comentaristas do programa 3 em 1, da Jovem Pan, debateram a entrada do ex-juiz na política e seu discurso feito na cerimônia de filiação, realizada nesta quinta-feira, 10

  • 10/11/2021 17h58
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDOEx-ministro defendeu o fim do foro privilegiado, a privatização de empresas estatais e o fim do desmatamento

O ex-juiz da Operação Lava Jato e ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro se filiou nesta quarta-feira, 10, ao Podemos. O evento aconteceu no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, e contou com a participação da deputada federal e presidente do partido, Renata Abreu, e do senador Álvaro Dias. Em seu discurso, Moro abriu caminho para ser candidato à Presidência da República em 2022. Com um forte pronunciamento contra a corrupção, o ex-juiz prometeu institucionalizar a Operação Lava Jato, acabar com o foro privilegiado e pôr fim à reeleição para cargos do Poder Executivo. No início de seu discurso, o ex-ministro citou as críticas à sua voz e afirmou que, apesar de não ser “a melhor pessoa para discursar”, é alguém em que o povo “pode confiar”. “Eu não tenho uma carreira política e não sou treinado em discursos políticos. Alguns até dizem que não sou eloquente e muita gente critica a minha voz, mas se eventualmente eu não sou a melhor pessoa para discursar, posso assegurar que sou alguém em que vocês podem confiar”. Dentre os destaques de seu discurso, estão a defesa do fim do foro privilegiado, a privatização de empresas estatais e o fim do desmatamento.

Durante sua participação no programa 3 em 1, da Jovem Pan, o comentarista Rodrigo Constantino analisou o discurso de Moro na cerimônia de filiação do ex-juiz. Para o comentarista, as falas do ex-ministro são calculadas e genéricas, não apresentando genuinidade. Além disso, para Constantino, as declarações do pré-candidato mostram que Moro é um tucano e que defende pautas como “ambientalismo” e “capitalismo sustentável”, que foram citadas por Moro no discurso. “O que eu tenho a dizer é que o discurso foi muito ensaiado. Muito calculado e artificial. Passou por um filtro marketeiro muito forte. É pouco genuíno aquilo ali. Foi um discurso muito genérico e abrangente, com metas ambiciosas sem explicar o ‘como’, que é a questão da execução, que o debate sério entre adultos deveria focar nisso e não em monopolizar os fins nobres e as virtudes. Ele usa alguns termos e expressões chaves para entendermos o pensamento político dele. ‘Capitalismo sustentável’, a questão do ‘ambientalismo’, ‘justiça social’, ‘erradicar a miséria e a desigualdade’. Quer dizer, ele fala, age e pensa como um tucano. O político Moro é um tucano”, analisou Constantino. 

Confira o programa desta quarta-feiram 10: