‘Não acho que o legado de Olavo de Carvalho seja medido pelo governo Bolsonaro’, diz Constantino

Escritor morreu em Richmond, na Virgínia, na noite de segunda-feira, 25; no último dia 16, o filósofo tinha anunciado ter se infectado pelo coronavírus e cancelado as aulas online de seu curso de filosofia

  • Por Jovem Pan
  • 25/01/2022 18h01
Reprodução/YouTube Olavo de Carvalho, idoso de camisa jeans clara e óculos, falando para a câmera. Atrás, uma estante de livros Escritor era visto como uma das referências do governo de Jair Bolsonar

O escritor  Olavo de Carvalho, morreu na noite desta segunda-feira, 24, na região de Richmond, na Virgínia, nos Estados Unidos. A informação foi divulgada nas redes sociais pela família. Segundo o comunicado, o escritor de 74 anos estava hospitalizado. No ano passado, Olavo Luiz Pimentel de Carvalho chegou a ser internado no Instituto do Coração do Hospital das Clínicas (InCor) da FMUSP, em São Paulo, após sofrer um mal súbito durante voo aéreo. Ele já havia sido internado em um hospital na Virgínia por problemas respiratórios e chegou a passar por um cateterismo e por uma cirurgia de emergência na bexiga no Brasil. A causa da nova internação de Olavo e de sua morte não foram divulgadas. No entanto, no último dia 16, o filósofo tinha anunciado ter se infectado pelo coronavírus e cancelado as aulas online de seu curso de filosofia. O presidente Jair Bolsonaro decretou luto oficial por um dia, em todo o país, em razão da morte do escritor.

Durante sua participação no programa 3 em 1, da Jovem Pan, desta terça-feira, 25, o comentarista Rodrigo Constantino lamentou a morte de Olavo de Carvalho e disse que a obra do autor não pode ser resumida pelo governo Bolsonaro, mesmo que ela tenha sido base para diversos aliados do presidente. “O Olavo de Carvalho foi um dos grandes nomes do pensamento dito conservador no Brasil. Ele educou uma geração com milhares de alunos e quem conhece o Olavo como ‘provocador das redes sociais’ não o conhece. […] O principal legado que ele deixa é o despertar de muita gente que passou, graças ao Olavo, a ficar atenta à guerra cultural, a pensadores da linha conservadora. Ele foi um professor para milhares de pessoas, inclusive para várias influentes no debate político atual. A questão de misturar o ‘olavismo’ com o ‘bolsonarismo’ é muito pontual. Não acho que o legado de Olavo de Carvalho seja medido pelo governo Bolsonaro, em que pese vários deste governo terem em Olavo uma espécie de influência intelectual”, afirmou Constantino.

Confira o programa desta terça-feira, 25: