‘Salles é parte da encrenca, não da solução’, diz Josias após nova fala sobre boi bombeiro

Declaração do ministro sobre incêndios no Pantanal e defesa da ‘tese do boi bombeiro’ foram temas de análises dos comentaristas do programa 3 em 1

  • Por Jovem Pan
  • 13/10/2020 18h21 - Atualizado em 13/10/2020 18h29
Fátima Meira/Estadão ConteúdoMinistro do Meio Ambiente, Ricardo Salles

Em audiência virtual com a comissão do Senado que investiga os incêndios no Pantanal, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, relembrou a tese do “boi bombeiro” exposta anteriormente pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, também em conversa com os senadores. A teoria de que o aumento da criação de gado para pastar o material seco ajudaria no controle dos incêndios no Centro-Oeste brasileir,o e a forma com a qual o ministro lida com o cargo nos dois primeiros anos de governo, foram temas do programa 3 em 1 desta terça-feira, 13. Thaís Oyama lembrou que, apesar de ter sido atribuída à ministra Tereza Cristina, a teoria de que o aumento do gado no pantanal ajudaria a controlar o fogo já foi reproduzida por Salles e pelo próprio presidente Jair Bolsonaro. Ela seria baseada em estudos do pesquisador Evaristo de Miranda, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). “Ele mesmo relativiza a importância do boi, porque evidentemente o boi não causa incêndios nem é a solução para incêndio nenhum. Então, quando o ministro Salles insiste nesse mito de boi bombeiro, a impressão que dá é de que ele não quer achar uma solução, mas só quer achar um culpado”, disse.

Josias de Souza também criticou a forma com a qual Salles lida com as queimadas nos primeiros anos de governo. “Debater combate às queimadas com ministro Ricardo Salles é a inutilidade levada às fronteiras do paradoxismo. O ministro do Meio Ambiente já mostrou que ele não resolve problemas ambientais, ele apenas sobrevive aos problemas, quando não os agrava. A cada nova manifestação fica evidente que o ministro Salles é parte da encrenca, não da solução. Isso ficou mais uma vez evidenciado nessa conversa virtual que o ministro manteve com os senadores”, afirmou, lembrando que o ministro “desconversa” ao falar sobre os desmontes promovidos na região.

O comentarista Rodrigo Constantino, por sua vez, afirmou que o ministro tem razão em afirmar que as leis em excesso não resolvem os problemas do Pantanal. Ele lembrou, ainda, que os incêndios também ocorrem em outras regiões do mundo que não são administradas por Salles ou Bolsonaro. “É preciso tomar um pouco de cuidado com essa histeria de quem olha os incêndios e tenta achar um único culpado. Existem aí muitos interesses, muita ideologia por trás dessa narrativa”, disse Constantino, que afirmou que as pessoas que moram em áreas cosmopolitas do Brasil costumam não se compadecer com alguns moradores da região amazônica. “São pessoas, são seres humanos que querem o desenvolvimento, o progresso também. Você tem que obviamente oferecer condições, então é disso que se trata. Esse governo foi eleito para isso, para acabar com essa narrativa toda xiita dos ecoterroristas, e tentar levar um pouco mais de desenvolvimento para essas regiões”, pontuou.

Veja o programa 3 a 1 desta terça-feira, 13, na íntegra: