‘Era uma galera excluída que virou mainstream’, diz Di Ferrero sobre movimento emo

Músico participou do quadro ‘No Caminho Te Explico’, do ‘De Tudo Um Pouco’, desta quinta-feira e falou sobre família, carreira e amizades

  • Por Jovem Pan
  • 04/02/2021 23h41 - Atualizado em 05/02/2021 00h49
Reprodução/ YoutubeDi Ferrero e Fred Ring no 'Carpool' do De Tudo Um Pouco

Referência na vida de muitas pessoas com a banda Nx Zero, o cantor Di Ferrero mantém sua carreira solo em alta desde o fim do grupo em 2017. Casado com a modelo Isabeli Fontana, o músico participou do novo quadro do De Tudo Um Pouco, o “No Caminho Te Explico”, no qual o apresentador Fred Ring e seus convidados conversam a bordo de um Volvo XC90, e falou sobre família, música e amizade. Cantando desde os oito anos, Di falou sobre suas influências no rock e como foi o movimento emo que alavancou a banda nos anos 2000. “O primeiro disco que eu ganhei foi o Dangerous do Michael Jackson, mas lembro que nessa época, começo de Nx, eu escutava muito Blink 182, NOFX, Red Hot Chilli Peppers e outros ali do grunge”, disse.

“Na época estava rolando o papo emo e geralmente era uma galera excluída, que não era muito popular e tinha problemas em casa, e aí essa galera começou a se unir e viraram maioria, virou mainstream. O jeito de se vestir vinha do hardcore e era uma coisa muito genuína, era muito daora. Esses tempos a Gloria Groove disse que o primeiro show que ela foi, foi do Nx e é legal saber que ela pode ser quem ela quiser hoje, na época era difícil. Você colava nos shows e colava uns skinhead pra te bater”, relembrou. Durante a carona, a mãe do músico, Dona Helena, revelou uma promessa do filho sobre o VMB. “Ele e o irmão tentaram entrar para assistir uma vez, mas não conseguiram. Então ele falou ‘da próxima vez vou entrar pela porta da frente’ e aconteceu”, disse ela. Di revelou que foi um ano antes que o Nx Zero tocou no evento.

Sobre a família, o artista contou que não tinha intenções de casar, mas quando encontrou Isabeli tudo mudou. “Eu nunca quis, mas hoje tem meus dois enteados que nem me imagino sem eles, somos tipo uma família moderna”, declarou. “Eu aprendo muito com ela. Quando começamos a namorar eu pensei ‘o que eu dou pra ela de presente?’, mas é um pensamento machista. Você acha que ela estava interessada no presente que eu ia dar pra ela? Ela só queria um rolê, me conhecer”. Di também comentou sobre situação que já passou ao lado da amada. “Aqui eu sou conhecido, mas quando a gente vai viajar pra fora ela é mais conhecida e as pessoas julgam: ‘Esse moleque deve ser ricaço’. Ninguém pensa que ela pode ser mais bem sucedida e famosa que eu, só porque ela é mulher”, completou.

Confira ‘No Caminho Te Explico’ desta quinta-feira, 04: