ANP avalia viabilidade do delivery de combustíveis no Brasil

Consumidor usaria um aplicativo para chamar carro-tanque e comprar etanol ou gasolina; EUA e outros países já adotaram modelo

  • Por Jovem Pan
  • 09/08/2021 07h21 - Atualizado em 09/08/2021 10h11
J. F. DIORIO/ESTADÃO CONTEÚDOA Federação Nacional do Comércio de Combustíveis considera que o delivery pode estimular irregularidades

O delivery de combustível poderá ser regulamentado no Brasil. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) discute um novo marco regulatório do setor. Abastecer um carro sem sair de casa já é realidade nos Estados Unidos, Canadá e Inglaterra. Através de um aplicativo no celular, o consumidor acessa o serviço, que será realizado pelos postos de combustíveis com veículos adaptados. O advogado Robson Couto avalia que o modelo segue a tendência da prestação de serviços após a pandemia. “O mercado aceitará essa nova opção de combustível, tanto frente ao consumidor quanto ao próprio mercado varejista.”

A Associação Brasileira de Revendedores de Combustíveis Independentes e Livres participa das discussões da regulamentação da ANP. O diretor da AbriLivre, Rodrigo Zingales, ressalta que o delivery será restrito ao etanol e gasolina, mas as normas ambientais da agência inviabilizam o modelo. “Do jeito que você está regulamentando esse delivery, ele é praticamente inviável. O posto exercer essa atividade sem desrespeitar as regras impostas na resolução.” O novo marco regulatório dos combustíveis da ANP ainda não tem prazo para sua finalização e a efetiva mudança no mercado de combustíveis brasileiro. A Federação Nacional do Comércio de Combustíveis considera que o delivery pode estimular irregularidades em um mercado já marcado por fraudes e sonegações.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos