Petrobras reverte prejuízo e tem lucro de R$ 42,8 bilhões no 2º trimestre

Número representa alta de 5572% do primeiro para o segundo trimestre, sendo um dos melhores resultados da estatal nos últimos anos

  • Por Jovem Pan
  • 05/08/2021 10h25 - Atualizado em 05/08/2021 10h46
Agência Petrobras/Geraldo FalcãoCompanhia também informou que vai pagar dividendos à União de R$ 11,6 bilhões em agosto e dezembro

A Petrobras registrou lucro líquido de R$ 42,8 bilhões no segundo trimestre deste ano, ante um prejuízo de R$ 2,7 bilhões atingido no mesmo período de 2020 e um lucro de R$ 1,1 bilhão no primeiro trimestre de 2021. Esse foi um dos melhores resultados dos últimos anos da companhia, sendo o primeiro da gestão do general Joaquim Silva e Luna. O lucro  representa alta de 5572% do primeiro ao segundo trimestre. A estatal aponta que o número positivo refletiu maiores margens de derivados, maiores volumes de vendas de petróleo e derivados do mercado interno e exportações, ganhos cambiais pela valorização do real frente ao dólar e também ganhos em participações e investimentos. O direto financeiro da Petrobras, Rodrigo Araújo, avalia o bom resultado obtido. “Tivemos um trimestre que só a geração de caixa operacional que possibilitou a redução da nossa dívida bruta em R$ 7 bilhões de dólar, de 71 bilhões para 64 bilhões de dólares, um patamar abaixo do estabelecido para 2021. Essa redução representa um passo importante na nossa trajetória de desalavancagem”, afirmou à Jovem Pan.

A companhia também informou que vai pagar dividendos à União de R$ 11,6 bilhões em agosto e dezembro. Somadas as parcelas já pagas em dividendos e as que ainda serão desembolsadas, o montante supera R$ 15 bilhões. O valor é equivalente, por exemplo, ao custeio de aproximadamente um mês e meio do auxílio emergencial em 2021. A divulgação desses valores acontece em um momento em que o governo federal fala que a Petrobras teria um fundo de R$ 3 bilhões para financeira a criação do Vale Gás, programa social que está sendo discutido para beneficiar famílias pertencentes ao Bolsa Família. A estatal, no entanto, negou que haja qualquer decisão sobre montantes o sobre o programa e reforçou que é uma maiores pagadoras de impostos do pais. Apenas no primeiro trimestre, a estatal recolheu R$ 77 bilhões ao cofres públicos.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga