Após 10 anos em negociação, Prefeitura aprova projeto de restauro da fachada do Edifício Copan

Administração do prédio está trabalhando no projeto executivo da reforma, que ficara pronto em novembro; obra deve demorar de 4 a 5 anos

  • Por Jovem Pan
  • 17/10/2021 11h38 - Atualizado em 17/10/2021 18h57
José Cordeiro/SPTurisO desenho original do edifício Copan é do arquiteto Oscar Niemayer

Entre tantos arranha-céus, aquele “S” não passa despercebido. A gente pensa em uma imagem do horizonte da capital paulista e o Copan ocupa lugar de destaque. São 120 mil metros quadrados de área construída, 115 metros de altura e 1160 apartamentos. O edifício chama Copan porque ele foi encomendado pela Companhia Pan Americana de Hotéis e Turismo. O desenho original é do arquiteto Oscar Niemayer. Entre a concepção do projeto e a finalização da obra, se passaram 12 anos. Foram alguns percalços, mudanças na planta, dificuldades financeiras, mas uma vez inaugurado, na década de 1960, o edifício passou a ser um dos metros quadrados mais caros de São Paulo. Hoje estamos acostumados a vê-lo cercado pela rede de proteção, colocada para impedir acidentes com as pastilhas que se descolam do prédio. Depois de 10 anos em negociação com a Prefeitura, um projeto de reforma foi aprovado. Entre os comerciantes estabelecidos nas galerias a expectativa é grande.

O empresário Raimundo Oliveira tem uma pizzaria no local há 27 anos. “Hoje está atraindo muito o pessoal para o lugar no fim de semana para vir conhecer o Copan. E agora, eu acho que essa reforma só vai trazer benefícios para a gente aqui no comércio. Eu estou comemorando já”, relata Oliveira. A diretora do departamento de Patrimônio Histórico de São Paulo, Lícia Ferreira, explica porque foram tantos anos de tratativas. O Copan é tombado, por isso, a manutenção precisa atender requisitos. Para ela, a demora consistiu em encontrar um projeto que correspondesse a uma solução adequada as necessidades e que tivesse durabilidade. “Em um primeiro momento, eles queriam apenas refazer as pastilhas e a gente solicitou que fossem feitos, também, os restauros da caixilharia, das janelas, de outros elementos, de modo que a gente alcançasse a recuperação total da fachada. A ideia foi garantir a preservação final de todas as características arquitetônicas externas do edifício como prevê a resolução tombamento.

Há 28 anos como sindico do Copan, Affonso Prazeres de Oliveira diz que é um sonho a caminho de realização. Por enquanto, a administração está trabalhando no projeto executivo da reforma, que ficara pronto em novembro e trará uma estimativa de custo. A partir daí, é ir atrás de parcerias, pois o que o condomínio tem em caixa não é suficiente para a obra. “Nós temos quase que 2 mil metros quadrados favoráveis para parcerias e publicidade na faixada do prédio enquanto do restauro. Eu tenho que fazer a remoção, provavelmente, de quase 80% das pastilhas que ai estão para substituí-las. Trabalho em dobro”, afirma. A reforma deve contemplar outros aspectos também como infiltração, tratamento do concreto. A obra deve demorar de 4 a 5 anos.

*Com informações da repórter Carolina Abelin