Aumento do pedágio influencia no preço dos alimentos, afirma presidente da ANUT

Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) avalia elevar tarifas para recompor impacto da pandemia em rodovias

  • Por Jovem Pan
  • 21/09/2021 10h09 - Atualizado em 21/09/2021 12h12
Eliane Neves/Estadão ConteúdoANTT avalia aumento de tarifa de pedágios reequilibrar impacto da pandemia

As perdas de receita das concessionárias de rodovias federais que foram afetadas pela pandemia do novo coronavírus devem ser reequilibradas com reajustes nas tarifas de pedágio cobradas dos usuários. O formato é idealizado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), responsável por reequilibrar os contratos das empresas que administram estradas federais. Em entrevista ao Jornal da Manhã, o presidente executivo da Associação Nacional dos Usuários Do Transporte de Carga (ANUT), Luis Henrique Baldez, afirma que há outras maneiras de reequilibrar as contas, sem repassar a conta para o usuário nas tarifas. Segundo Baldez, o aumento do pedágio pode terminar influenciando na elevação de preços dos alimentos em feiras e supermercados, no final da cadeia.

“A nossa avaliação inicial é que o impacto da pandemia equivale a dez meses do ano de 2020. Nós estamos falando de dez meses em um contrato de 360 meses, de 30 anos. O impacto é relativamente pequeno. Achamos que nem deveria ser objeto desse tipo de debate e decisão pelo lado da ANTT [para aumento do valor do pedágio]. Nos posicionamos para que esse impacto a ser calculado não precise necessariamente ser pago pela tarifa. Existem inúmeras formas de se fazer o reequilíbrio de contrato que não precisa ser só pela tarifa. Nós já apresentamos várias formatações para isso. O aumento de tarifa é sempre algo que precisa de uma decisão muito equilibrada, porque ela vai bater na porta do mercado, no valor do arroz, do feijão, do açúcar. Porque todos esses custos da cadeia produtiva vão acabar influenciando no preço final do produto. E o brasileiro já paga um valor muito elevado nesses produtos para ter que pagar mais ainda por conta de um pequeno desequilíbrio. Não há necessidade de penalizar o usuário”, afirma Baldez.

O presidente executivo da ANUT também diz acreditar que o aumento da tarifa de pedágios não é justa pelo tamanho por atualmente já serem pagos valores muito elevados. “Os pedágios que já pagamos hoje já são muito elevados. E a frequência com que está se aumentando o valor do pedágio está nos levando a uma situação muito crítica. Os usuários pagam nos pedágios brasileiros algo como R$ 30 bilhões por ano. Por tanto, a cada 3% de aumento, seja por qualquer razão, sou obrigado a desembolsar mais R$ 1 bilhão. São números realmente muito elevados, com um impacto muito grande no custo logístico do país”. “Nesta reunião com a ANTT, que aliás faz um bom trabalho, muito transparente e de debate sobre o tema, nós vamos nos posicionar contra o aumento para que esse repasse não doa no bolso do usuário”, finalizou.