Boris Johnson deve anunciar nova quarentena na Inglaterra

Liverpool deve ser a primeira região a entrar no nível mais alto de alerta

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 12/10/2020 08h54 - Atualizado em 12/10/2020 08h55
EFE/EPA/ANDY RAINBoris Johnson está batendo cabeça com uma medida nova atrás da outra -- todas de eficácia questionável

O governo conservador de Boris Johnson vai anunciar nesta segunda-feira (12) um novo sistema de quarentena para o país. Os casos de Covid-19 seguem em um patamar alto e a medida pretende restringir a circulação de pessoas regionalmente. Dentro do novo esquema, a Inglaterra terá três níveis de alerta: médio, alto e muito alto. No terceiro nível, as restrições serão próximas ao que aconteceu por aqui no início do ano. Bares e academias de ginástica, por exemplo, terão que fechar as portas por pelo menos um mês. Johnson está reunido com seu gabinete de emergência agora pela manhã e os detalhes do novo plano serão anunciados ao longo do dia. Nesta segunda, o número de internações por Covid-19 já supera os números de março. Os hospitais de campanha também estão sendo reativados, como um indicativo de que a situação está piorando rapidamente na segunda onda da doença.

Espera-se que Liverpool, no norte do país, seja a primeira região a entrar no nível mais alto de alerta. A cidade conta 600 casos de coronavírus a cada 100 mil habitantes — enquanto a média nacional da Inglaterra é de 74 a cada 100 mil. O problema desta história toda é que a população está perdendo cada vez mais a confiança nas ações do governo. Boris Johnson está batendo cabeça com uma medida nova atrás da outra — todas de eficácia questionável. Se no começo do ano os britânicos aderiram em massa às orientações, ficaram em casa e ajudaram a diminuir as contaminações, agora o cenário é outro. Os lockdowns regionalizados não estão trazendo os mesmos resultados da quarentena nacional.

Os casos continuam crescendo e ao mesmo tempo a economia não está se recuperando no ritmo esperado. Sem contar as falhas críticas no sistema de testagem e rastreamento do coronavírus, que até hoje Johnson não conseguiu entregar o que fora prometido. Por todos estes motivos ainda não está claro se as novas regras de quarentena regionalizada vão funcionar. O próprio governo não descarta uma decisão de fechar o país inteiro em algum momento para tentar conter o crescimento dos casos. Essa medida, no entanto, continua como última opção.