Combate ao tráfico de drogas apreende 24 toneladas de entorpecentes no 1º semestre de 2021

Número representa um crescimento de 36% em relação ao mesmo período do ano passado

  • Por Jovem Pan
  • 11/08/2021 07h58 - Atualizado em 11/08/2021 10h20
Divulgação/SSPSegundo o capitão, as divisões de investigação criminal reúnem todas as atividades de polícia especializada

O trabalho de combate ao tráfico de drogas das polícias civil e militar tirou mais de 24 toneladas de entorpecentes das ruas no primeiro semestre deste ano. É um crescimento de 36%, em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo o porta voz da Polícia Militar de São Paulo, capitão Luiz, a quantidade de drogas apreendidas este ano é a terceira maior já registrada desde 2001. “Só de maconha 17 toneladas, um pouco mais que isso. Seis toneladas de cocaína, 61 quilos de crack e demais drogas para totalizar essa quantidade. O carro-chefe dessas drogas é a maconha e, na sequência, a cocaína. E o substrato dela que é o crack, que é mais barato. Por isso a gente pega tanto nos nossos programas de educação, como o Proerd, para falar que a maconha não é recreativa. Ele é uma droga que dá entrada para outras mais pesadas.”Segundo a Secretaria de Segurança Pública, os resultados são consequência dos investimentos em tecnologia e equipamentos, além do aumento do efetivo policial nas ruas por meio das megaoperações São Paulo, interior e Rodovia Mais Segura.

O capitão destaca o trabalho do policiamento rodoviário, que atua em mais de 20 mil quilômetros de rodovias estaduais. Inclusive, nas rotas usadas por traficantes para transportar drogas entre os Estados. Além da eficiência das unidades especializadas que foram ampliadas pelo governo de São Paulo.  “Tanto da Polícia Militar quando da Polícia Civil. Da PM, os Baeps que tem um padrão de Batalhão de Choque, que são mais especializados. Eles estão em todos os municípios do Estado. Para se ter uma ideia, eles trabalham em todo o Estado de SP. Mas, para ter o deslocamento, é complicado. Esses Baeps suprem essa necessidade.” Segundo o capitão, as divisões de investigação criminal reúnem todas as atividades de polícia especializada, podendo ser encontradas em diversas regiões do Estado.

*Com informações da repórter Caterina Achutti