Conselho de Ética da Câmara analisa ações contra Ricardo Barros e Luis Miranda

Representações apresentadas pelo PSOL e pelo PTB têm como base o caso da vacina indiana Covaxin

  • Por Jovem Pan
  • 05/10/2021 06h38 - Atualizado em 05/10/2021 09h52
ANTONIO MOLINA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Líder do governo, Ricardo Barros Representação contra Barros foi apresentada pelo PSOL com base no depoimento dos irmãos Miranda

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados analisa ações contra o líder do governo Bolsonaro, Ricardo Barros (PP), e contra o deputado Luis Miranda (DEM). As representações têm a mesma base, a CPI da Covid-19 e as negociações da vacina indiana Covaxin. A representação contra Barros foi apresentada pelo PSOL com base no depoimento de Miranda e de seu irmão, Luis Ricardo Fernandes Miranda, funcionário do Ministério da Saúde. Eles afirmaram na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que avisaram o presidente Jair Bolsonaro sobre pressões para acelerar a importação da vacina indiana. Na ocasião, o chefe do Executivo teria dito que o líder do governo estaria envolvido com as tratativas, o que Ricardo Barros nega. O relator desse processo é o deputado Cezinha de Madureira (PSD).

Já a outra representação em análise no colegiado foi protocolada pelo PTB contra o deputado Luis Miranda. O partido sustenta que o parlamentar agiu de má-fé em falar em suposto superfaturamento para prejudicar o presidente da República e o ex-Ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello. A legenda solicitou a cassação de Miranda após a fatura apresentada pela empresa que intermediou a compra dos imunizantes ter sido corrigida. No entanto, o parlamentar acusado afirma que os erros foram corrigidos em razão da denúncia. O relator do caso, o deputado Gilberto Abramo (Republicanos) já recomendou a continuidade do processo.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos