Covid-19: 76% dos internados em hospital de SP não têm vacinação completa

Infectologista avalia panorama da saúde e fala em pandemia entre os não imunizados: ‘Quem não se vacina prejudica toda a sociedade’

  • Por Jovem Pan
  • 16/01/2022 14h27
MISTER SHADOW/ASI/ESTADÃO CONTEÚDO Profissional da saúde cuida de paciente com Covid-19 Médico também defendeu a vacinação de crianças contra a Covid-19 e criticou os pais contrários: 'Desserviço'

Dos pacientes internados com Covid-19 no Hospital Emílio Ribas, em São Paulo, 76% não completaram o esquema vacinal contra a doença ou sequer tomaram ao menos uma dose das vacinas disponíveis. A avaliação é que o momento atual é de uma pandemia entre os não imunes, que agora integram os grupos de risco. “A gente vê que é uma pandemia de não vacinação. As pessoas que não têm a vacina completa precisam buscar os postos de saúde, porque só assim que vamos sair do ciclo vicioso. Quem não se vacina prejudica toda a sociedade, essas variantes aparecem quando tem pessoas não vacinadas que trazem a multiplicação do vírus”, afirmou Ivan França, médico infectologista da UTI do Emílio Ribas e diretor do departamento de infectologia do AC Camargo Câncer Center. 

Considerando essa possível pandemia de não vacinados, o médico também falou sobre a importância da imunização de crianças contra a Covid-19, que começou na última semana em algumas regiões do Brasil. Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan News, ele lembrou que embora a incidência de quadros graves seja menor, as crianças também desenvolvem complicações da doença, o que acende o alerta para a urgência da proteção. “A vacinação é a atitude de saúde pública que mais salva vidas no mundo. É a segunda atitude que trouxe aumento da expectativa de vida das pessoas. Antes das vacinas, a expectativa era de 40 e pouco anos. Essas pessoas que tentam demonizar as vacinas estão prestando um desserviço. As crianças sempre foram alvo de todas as vacinas para evitar doenças da infância. […] Pai que não vacina está prestando desserviço a seu filho e a toda sociedade”, finalizou o médico.