CPI da Covid define últimos depoimentos nesta sexta-feira

Na cidade de São Paulo, vereadores dão início às investigações contra a Prevent Senior, um dos principais alvos da comissão dos senadores

  • Por Jovem Pan
  • 15/10/2021 06h35 - Atualizado em 15/10/2021 08h38
Edilson Rodrigues/Agência Senado Homens de terno compõem mesa de comissão Relatório do senador Renan Calheiros está previsto para ser lido na próxima terça-feira, 19

A CPI da Covid-19 se encaminha para o final, mas ainda há requerimentos para serem votados. Nesta sexta-feira, 15, os integrantes da comissão votam a realização de uma audiência pública para ouvir familiares de vítimas da Covid-19. Serão convidados representantes das cinco regiões do país. Outro requerimento é sobre a convocação do médico pneumologista Carlos Roberto Ribeiro de Carvalho, responsável por coordenar um estudo com parecer contrário ao uso dos remédios do chamado “kit covid“. Na próxima terça-feira, 19, será feita a leitura do relatório do senador Renan Calheiros (MDB-AL). A votação está marcada para a quarta-feira, 20. O senador Eduardo Girão (Podemos-CE), um dos membros da CPI, do lado governista, diz que o prazo será cumprido. “O país está parado, nós temos visto um verdadeiro espetáculo eleitoral, uma guerra política dentro dessa CPI. Três presidenciáveis já saíram como membros de dentro da CPI, já subiram em palanque, ou seja, confirmando que essa comissão parlamentar é um instrumento político, antecipando o calendário eleitoral”, afirmou.

Enquanto isso, na cidade de São Paulo, vereadores começaram a investigação sobre a rede Prevent Senior, em uma CPI própria da Câmara Municipal. Na última quinta-feira, 14, durante a primeira sessão, o coordenador da Vigilância Sanitária da Capital Paulista (Covisa), Luiz Artur Vieira Caldeira, disse que o órgão requisitou em março de 2020 uma intervenção sanitária em três hospitais da Prevent Senior. “Havendo rumores de risco à saúde da população paulistana, nós agimos mesmo antes que as coisas aconteçam. A intenção é essa mesmo. Perante esses rumores, determinamos uma equipe com médicos infectologistas e pessoal já gabaritado, experiente, porque o caso era grave. Foi determinado que fizessem uma inspeção em loco para verificar esses rumores, haja vista que naquela oportunidade não batiam as informações vinculadas na mídia, dos rumores, com aquilo que nós tínhamos no banco de dados oficial”, disse Caldeira.

Várias irregularidades foram constadas em um dos endereços vistoriados. Situações como “subnotificação de casos suspeitos, falha no isolamento de casos confirmados, um surto de Covid-19 na unidade”, entre outros. Em nota, o Governo do Estado de São Paulo afirmou que fez a inspeção nas unidades da rede um dia após o pedido de intervenção da Covisa e informou que verificou melhorias feitas pela operadora, estando conforme a legislação sanitária. Ainda sobre investigações na Prevent Senior, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) informou que nomeou a diretora técnica Daniela Kinoshita Ota para monitorar a operadora. Apesar de não ser uma intervenção, ela vai acompanhar os procedimentos da empresa para identificar ações que coloquem em risco os pacientes. A Prevent Senior nega todas as acusações.

*Com informações do repórter Fernando Martins