Democratas acusam Trump de traição por incitar invasão ao Congresso; defesa rebate

O relatório de 80 páginas aponta ‘traição de proporções históricas’ por parte do republicano e menciona ameaças ao ex-vice-presidente Mike Pence e parlamentares

  • Por Jovem Pan
  • 03/02/2021 05h43 - Atualizado em 03/02/2021 08h32
EFE/EPA/Chris Kleponis / POOLA defesa de Trump se manifestou sobre o documento e afirmou que a acusação é como um ato "insensato"

Parlamentares democratas que vão atuar como promotores no julgamento de impeachment de Donald Trump apresentaram nesta quarta-feira, 03, oficialmente, os documentos para o processo. Na petição de 80 páginas, eles acusam o ex-presidente de “traição de proporções históricas” por insuflar a população ao ataque que aconteceu ao Capitólio no início do ano. O documento de acusação diz que “o único caminho honroso naquele momento era o então presidente Trump aceitar o resultado e admitir a derrota eleitoral. Em vez disso, ele convocou uma multidão até Washington, incitou o grupo a uma agitação e apontou os manifestantes pela Avenida Pensilvânia como um canhão carregado”.

Na ocasião, o Congresso dos Estados Unidos formalizava a vitória de Joe Biden, e, ao mesmo tempo, Donald Trump afirmava a apoiadores que as eleições tinham sido fraudadas e que eles “não poderiam desistir”.  A invasão ao Capitólio culminou em cinco mortes. O relatório menciona também ameaças ao ex-vice-presidente Mike Pence e parlamentares. Os democratas afirmaram que um fracasso na condenação pode “encorajar futuros líderes a tentar reter o poder por todos os meios”. A defesa de Trump se manifestou sobre o documento e afirmou que a acusação é como um ato “insensato” e disse que o “impeachment é uma arma que eles têm tentado usar contra o republicano”. O julgamento de Donald Trump no Senado começa na semana que vem e, para que ele seja condenado, serão necessários os votos de 67 dos 100 parlamentares.

*Com informações da repórter Camila Yunes