Diogo Schelp: ‘Divulgação de nova morte na China coincide com a chegada da OMS em Wuhan’ 

País registrou primeiro óbito pela doença em oito meses; especialistas da organização irão investigar a origem da pandemia do coronavírus

  • Por Jovem Pan
  • 14/01/2021 10h06 - Atualizado em 14/01/2021 10h22
EFE/EPA/JEROME FAVREPara Diogo Schelp, a ocultação dos dados seria uma estratégia para fortalecer o governo de Xi Jinping

A China divulgou nesta quinta-feira, 14, a primeira morte por Covid-19 em oito meses. A morte anterior tinha sido confirmada em maio de 2020. Também nesta quinta-feira, especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) chegaram à província de Wuhan para investigar a origem da pandemia de coronavírus. Para o comentarista Diogo Schelp, a divulgação do primeiro óbito pela doença em oito meses estaria relacionada à chegada da OMS ao país. “A divulgação dessa morte coincide com a chegada de especialistas da OMS. A questão mais complicada é que a China está a vários meses com o número de casos estável, então há uma suspeita muito grande de maquiagem de dados”, diz Schelp.

Para o comentarista, a ocultação dos dados seria uma estratégia para fortalecer o governo de Xi Jinping. “O governo chinês usa esses dados, que são muito bons aparentemente, para mostrar para o mundo que o seu sistema político é melhor, ou seja, que com um governo forte, no caso, uma ditadura, é possível proteger os cidadãos contra uma pandemia, por exemplo”, sugere Schelp. “Isso é balela. Existem muitos países que não são ditaduras que foram muito eficientes em controlar o vírus”, argumenta. Composta por cientistas da AlemanhaAustráliaCatarDinamarcaEstados UnidosHolandaJapãoReino UnidoRússia e Vietnã, a equipe tem como objetivo encontrar a origem animal do Sars-Cov-2 e descobrir qual foi o seu canal de transmissão para os humanos. De acordo com o levantamento da Universidade Johns Hopkins, a China tem 97.355 casos e 4.796 óbitos por Covid-19.