‘Expo Dubai deve estimular exportações e investimentos’, diz comissário-geral do Brasil

Evento começa nesta sexta-feira, 1º, e deve atrair US$ 10 bilhões; general Elias Martins Filho considera que feira mundial será oportunidade para fortalecer a imagem do país

  • Por Jovem Pan
  • 01/10/2021 10h22 - Atualizado em 01/10/2021 10h36
StockSnap/Pixabay Balança comercial Segundo Elias Martins Filho, 191 países devem participar desta edição da Expo Dubai nas próximas 11 semanas

A Expo Dubai começa nesta sexta-feira, 1º. A abertura do evento, considerado o maior de posicionamento dos países perante a comunidade internacional, marca a retomada dos negócios após o avanço da vacinação contra a Covid-19. Com duração de 11 semanas, o encontro será uma oportunidade para o Brasil  mostrar “o que está fazendo de bom” para o desenvolvimento sustentável, explica o comissário-geral do Brasil para a Expo Dubai 2020 e representante da Apex-Brasil, general Elias Martins Filho. “Também traz um forte apelo aos negócios. Teremos 11 semanas de evento, entre as quais 10 terão eventos para negociações, para estimular as exportações e os investimentos para todos os países. Estaremos realizando no dia 15 de novembro um fórum de investimentos, cujas expectativas são bem alta. Segundo especialistas, estimamos que poderemos atrair valores de US$ 10 bilhões. Temos vários oportunidades de negócios ao longo das exposições.”

Segundo Elias Martins Filho, 191 países devem participar desta edição da Expo Dubai, que acontece após a suspensão do encontro em 2020 em razão da pandemia. Por isso, a expectativa é que a feira mundial impulsione a recuperação econômica e a volta à normalidade. “Teremos o setor do agronegócio fortemente apresentado em duas semanas de fevereiro e teremos Estados como São Paulo, Ceará, Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso e Amazonas se apresentando e trazendo tanto as oportunidades de negócios quanto as empresas e cooperativas, que estarão trazendo produtos e projetos de desenvolvimento sustentável. É uma gama muito diversificada de empresas e de produtos que vão mostrar o quão sustentável é a economia brasileira, o quão sustentável é a nossa agricultura, fortalecendo a imagem e o conceito de que o Brasil é um país ambientalmente consciente e sustentável.”