Falta de atenção é maior causa de acidentes de trânsito no Brasil

Segundo o Ipea, os custos dessas tragédias para os cofres públicos superam R$ 1,5 trilhão

  • Por Jovem Pan
  • 28/11/2020 09h20
ADEMILSON TICO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOSegundo a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego, 76% das mortes no trânsito são causados por falta de atenção ao dirigir

Em pouco mais de 10 anos, o Eduardo Santos, de 41 anos, sofreu três acidentes no trânsito. Em pelo menos duas ocasiões, a culpa não foi dele. Segundo Eduardo, o que falta a muitos motoristas é respeito. “Infelizmente a maioria dos motoristas, quanto vê você em um cruzamento, ele avança. Ele vê você indo e troca de faixa mesmo sem ter como trocar a vaga. Então, tem que haver mais conscientização e respeito pelo próximo, né?”

A tragédia da semana passada, no interior de São Paulo, quando mais de 40 pessoas morreram após o ônibus em que viajavam bater violentamente contra uma carreta é um exemplo da guerra travada nas ruas e estradas do Brasil. Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada apontou que, entre 2007 e 2018, quase 500 mil vidas foram perdidas em acidentes de trânsito. Segundo o Ipea, os custos dessas tragédias para os cofres públicos superam R$ 1,5 trilhão entre indenizações e despesas hospitalares.

O professor e coordenador da pesquisa, Paulo Pegas, ressalta que a qualidade das rodovias melhorou nos últimos anos — mas ainda não é o suficiente. Segundo a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego, 76% das mortes no trânsito são causados por falta de atenção ao dirigir causada por fadiga, estresse ou cansaço. O médico da Abramet, Alysson Coimbra, destaca que uma das formas de reduzir o número de acidentes é a realização de avaliações periódicas pelos condutores. Segundo Dados do Infosiga, acidentes e mortes no trânsito seguem em queda no Estado de São Paulo. Em outubro, foram registrados 440 óbitos, redução de 9,5% na comparação com o mesmo período de 2019. Os motociclistas são os que mais se envolvem em acidentes, com 151 fatalidades no mês passado.

*Com informações da repórter Letícia Santini