Fim do prazo: Bolsonaro deve vetar fundão eleitoral de R$ 5,7 bilhões nesta sexta

Estratégia do governo é deixar a negociação do valor menor para o projeto do Orçamento, que entra na pauta do Congresso Nacional ainda neste mês

  • Por Jovem Pan
  • 20/08/2021 10h18 - Atualizado em 20/08/2021 16h49
ANTONIO MOLINA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Jair Bolsonaro coçando ao lado do nariz, atrás de um microfone e na frente de uma bandeira do Brasil. Usa terno e gravata. Presidente disse nesta semana que pretende reduzir o valor para cerca de R$ 3 bilhões; equipe econômica projeta R$ 2,5 bilhões

Encerra nesta sexta-feira, 20, o prazo para o presidente Jair Bolsonaro definir o futuro do Fundo Eleitoral de 2022. A expectativa é que o chefe do Executivo vete o valor de R$ 5,7 bilhões. Segundo interlocutores do Planalto, a estratégia é deixar a negociação para o projeto do Orçamento, que entra na pauta do Congresso Nacional neste mês e segue até dezembro. Isso significa que o veto presidencial não acaba com o assunto, apenas adia a discussão. O presidente disse nesta semana que pretende reduzir o valor para cerca de R$ 3 bilhões. Em live nas redes sociais, nesta quinta-feira, Bolsonaro apenas disse que a definição sobre o tema vai sair ainda hoje. “Sai a sanção ou veto do fundo partidário, pessoal. Fiquem tranquilos, vamos fazer a coisa certa”, afirmou. A área econômica quer que o fundo eleitoral tenha o mesmo valor do último ano, corrigido apenas pela inflação, o que chegaria a um valor aproximado de R$ 2,5 bilhões para os partidos.

*Com informações do repórter Fernando Martins