Geraldo Alckmin não descarta retornar à política

O ex-governador avalia, no entanto, que ainda é cedo para pensar nas eleições de 2022 

  • Por Jovem Pan
  • 30/11/2020 07h35 - Atualizado em 30/11/2020 09h01
Charles Sholl/Estadão ConteúdoDe acordo com a denúncia, Alckmin teria recebido R$ 2 milhões em espécie da Odebrecht durante a campanha ao Palácio dos Bandeirantes

O ex-governador Geraldo Alckmin elogiou Bruno Covas e disse que o aliado fez um bom trabalho na saúde. Para ele, a área será um dos principais desafios dos próximos anos devido à pandemia da Covid-19. O tucano votou neste domingo, 29, acompanhado da esposa, Lu Alckmin, no colégio Santo Américo, na zonal sul da capital paulista. Ao falar com a Jovem Pan, Alckmin estava confiante na reeleição de Covas. “Foi uma bonita campanha de ambos os candidatos, do Bruno e do Boulos. Acho que o Bruno deve se reeleger, fez um bom mandato, tem uma vocação política que herdou do avô, Mário Covas.”                       .”

O ex-governador lembra que a pandemia não acabou mas diz que a vacina é uma esperança. Ele ressaltou a dificuldade em lidar com a circulação do novo coronavírus, mas disse que São Paulo tem conseguido lidar com a crise. “Não faltou vaga aqui em São Paulo, vaga de UTI, respirador, vaga de hospital. Então a prefeitura atuou com agilidade”, disse. Atualmente, Geraldo Alckmin tem se dedicado à medicina, mas não descarta retornar à política. “Voltei para a medicina, minha formação é anestesia, mas faço também acupuntura. A política vem no seu tempo, a gente sempre está militando, trabalhando, estudando. Somos servidores do povo. Agora, eleição só em 2022, está longe ainda”, afirmou. O ex-governador disse que outro problema para a gestão será lidar com a retomada da economia da maior cidade do país.

*Com informações do repórter Camila Yunes