Governador João Doria e Rodrigo Constantino discutem no Jornal da Manhã

Governador de São Paulo rebate críticas feitas pelo comentarista durante o programa da Jovem Pan nesta terça-feira e afirma que Constantino é ‘negacionista, ideológico de Bolsonaro’

  • Por Jovem Pan
  • 02/02/2021 12h19 - Atualizado em 02/02/2021 15h28
Foto montagem/Jovem Pan O governador de São Paulo pediu mais respeito pela vida, pela ciência e pelas famílias das mais de 225 mil vítimas da Covid-19 no Brasil

O governador do Estado de São Paulo, João Doria, e o comentarista da Jovem Pan, Rodrigo Constantino, discutiram durante o programa Jornal da Manhã desta terça-feira, 2. O bate-boca começou após Constantino falar sobre a posição da prefeita de Bauru, Suellen Rosim, que rebateu o governador dizendo que não nega a gravidade da pandemia, assim como “não é vassala” do presidente Jair Bolsonaro. Para o comentarista, é absurdo acusar alguém de vassalagem por ter uma reunião com o chefe do governo federal e as críticas de Doria são exemplos da “politização da pandemia” adotada pelo governador “desde o começo”. “Vassalo seja o próprio governador em relação ao governo chinês. Não há ciência por trás do lockdown, isso é fato. O governador gosta muito de monopolizar fala em nome da ciência, da preocupação com a vida sendo que ele só pensa em 2022. É por isso que ficou tão irritado porque a prefeita foi se reunir com Bolsonaro que é o seu arqui-inimigo. Ele está politizando a pandemia desde o começo. São Paulo como um todo, que é o estado gerido por João Doria, é pior em termos de resultado de óbitos por milhão que o país. Como esse sujeito tem a cara de pau de ficar dando tanta lição de moral em nome da ciência?”, questionou.

Após a declaração, o governador João Doria entrou em contato com a Jovem Pan e pediu um direito de resposta. Ao entrar no programa ao vivo, o governador disse que o comentarista é um “negacionista, ideológico do Bolsonaro, que defende um governo homicida como é o de Bolsonaro” e que, assim como o presidente, Constantino também disse que a pandemia era “uma gripezinha”. “O Brasil contabiliza mais de 225 mil mortos por uma pandemia que poderia ter o seu efeito minimizado se não tivéssemos um governo negacionista e jornalistas, aliás, pseudo jornalistas como você defendendo terraplanismo e a ideologia ao invés de defender o povo, a saúde e a vida das pessoas. Foi aqui em São Paulo, Rodrigo Constantino, que viabilizamos a vacina, aquela que você várias vezes, em comentários na Jovem Pan, e Jair Bolsonaro desqualificaram e chamaram de vacina da China, vachina, vacina do Doria. Mas é essa vacina que foi aprovada e qualificada pela Anvisa como uma vacina segura e eficaz. É essa vacina que está salvando milhões de brasileiros”, disse Doria, que completou pedindo mais respeito pela vida, pela ciência e pelas famílias das vítimas da Covid-19.

Em resposta, o comentarista da Jovem Pan disse que o governador não fala a verdade. “O fato é que São Paulo, por exemplo, se fosse um país seria o 14º país do mundo enquanto o Brasil está melhor. O fato é que São Paulo concentra o grosso das mortes no país. Você não fala a verdade, você tem que ser mais democrático e verdadeiro”, disse. João Doria rebateu afirmando que o comentarista é um “vassalo do Bolsonaro”. “A população sabe quem é você, você é um extremista, Rodrigo Constantino. Você não honra o jornalismo da rádio Jovem Pan, você não honra os ouvintes da rádio Jovem Pan. Você é um vassalo de Jair Bolsonaro, vá beijar as botas do Jair Bolsonaro”, rebateu. Após a declaração, Constantino afirmou: “O senhor surtou, não será eleito nem para síndico em 2022. Tenha compostura, você está falando com um jornalista”, disse o comentarista.