Polícia Federal entra nas investigações sobre ataque a bancos e mortes em Araçatuba

Segundo o secretário interino de Segurança Pública de São Paulo, coronel Álvaro Batista Camilo, quadrilha que atuou na cidade tinha informações privilegiadas

  • Por Jovem Pan
  • 31/08/2021 07h21 - Atualizado em 31/08/2021 12h10
Reprodução/Rádio Jovem PanGrupo de Ações Táticas Especializadas atua na localização e desativação dos explosivos espalhados pelos criminosos durante a ação

A Polícia Federal está atuando em conjunto com as forças de Segurança Pública do Estado de São Paulo na investigação do assalto que aterrorizou moradores de Araçatuba. Os agentes federais e as polícias Militar e Civil intensificaram buscas pelos criminosos envolvidos no assalto a bancos da cidade e o Grupo de Ações Táticas Especiais (GATE) atua na localização e desativação dos explosivos espalhados pelos criminosos durante a ação. Até a conclusão do trabalho, as autoridades pedem que a população evite circular nas ruas. O secretário interino de Segurança Pública de São Paulo, coronel Álvaro Batista Camilo, acredita que a quadrilha conhecia a fundo o funcionamento das agências. “Precisamos trabalhar melhor essa informação, principalmente com os bancos e áreas federais. Ali era tesouraria do banco, distribuição de recursos e nós não sabíamos desse volume financeiro. De qualquer forma, é mais uma ação com informação privilegiada e as investigações já estão andando”, disse.

Em coletiva ao lado do governador João Doria, Camilo ressaltou que foi o primeiro ataque do tipo na região neste ano. “Estouro de caixa eletrônico chegamos em 2003 a mais de 500 ocorrências, neste ano tivemos nove. O trabalho da polícia tem sido forte e esses crimes de estouro de caixa e assalto a banco tem reduzido. Essas quadrilhas são organizadas, tem treinamento para fazer esse tipo de ação e vai o trabalho de inteligência para chegar a essas pessoas. Ainda é cedo para fazer relação com outros casos recentes, vamos focar nas investigações”, afirmou. Em uma rede social, o governador João Doria afirmou que uma força-tarefa está nas ruas para prender e punir os criminosos e garantiu que as “cenas de terror vivenciadas não ficarão impunes“.

*Com informações do repórter Fernando Martins